Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 25/08/2017 às 15h04
Paixão e imodéstia


RODRIGO ROMERO

'A Paixão Segundo Martins' é o nome do documentário dirigido pela cineasta Irene Langemann. Fita de 2004, foi comentada neste espaço há mais de uma década, em 2006. Na época, a fama e a história do pianista João Carlos Martins rodava o globo e o seu sofrimento com os acidentes, o assalto e tudo o mais de nefasto que ocorreu para prejudicar os movimentos das mãos dele estava em jornais, TV e revista.

Até uma polêmica financeira envolvendo J. Martins e a campanha de Paulo Maluf em 1992 à prefeitura de São Paulo. Pois bem. Ano passado, o diretor Mauro Lima ('Meu Nome não é Johnny' - 2008, e 'Tim Maia' - 2014) foi incumbido de comandar o longa-metragem baseado na biografia de João. O primeiro nome sugerido foi exatamente o de 'Martins' Passion', o homônimo do trabalho de Langemann.

Depois de percebida a cópia, a alteração se fez e 'João, o Maestro' foi rodado. Estreou na semana passada e, para não ser prolixo, quase todas as passagens marcantes do músico estão na tela, menos o escândalo malufista de 1992. Quatro atores dão vida a João: Davi Campolongo (criança), João Pedro Germano (adolescente), Rodrigo Pandolfo (jovem) e Alexandre Nero (adulto).

A família de bom gosto musical, a precocidade do garoto João se apresentando desde a tenra idade, romances e casamentos desfeitos por culpa de uma obsessão desvairada dele em relação ao piano, tudo está ali, em sua devida posição. Mas se João se tornou maestro quando notou que seus braços e mãos já não correspondiam aos desejos dele, o próprio pianista não regeu a sua vida.

Autopromoveu-se à esmo, e no longa-metragem Mauro Lima tentou como pode alcançar esta falsa modéstia no roteiro. Quando a gente pensa no retumbante talento do músico, nossos olhos são tapados à celebração da carreira dele e suas travessas aventuras. Em 'João, o Maestro', à parte as belas interpretações de Nero e Pandolfo, e a direção de arte que se esforça a agradar ao público com recriações de época, o que temos é cenas e mais cenas de emoção comprada, e não dada de mão beijada...

Nem a sequência derradeira, onde se vê o verdadeiro João Carlos Martins ao piano, nos toca de modo profundo. O filme vale, assim, mais para registro histórico. Só rezo para que a comissão do Ministério da Cultura que tem a incumbência de apontar a produção nacional para tentar concorrer ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira em 2018 não escolha esta película. Se sim, será outra vergonha a nos torrar a paciência. O resultado sai dia 15 de setembro. A ver.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

26 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: