Domingo, 25 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 16/12/2013 às 16h07
Outro patamar


RODRIGO ROMERO

Todos estão fartos de saber: Tom Hanks nada tem a provar pra ninguém. Aos 57 anos, muito bem sucedido, dois Oscars na prateleira e multimilionário, dá pitacos nos filmes, é consultado pelos novatos- atores, diretores e produtores - e arrisca-se aqui e ali e pequenas e médias ousadias. Pouco tempo atrás, abriu a porta nova: descobriu ser diabético e ajudou o mundo com o seu depoimento em programas de TV. Porém, como canta Paulinho da Viola, 'ai, porém', lhe falta algo de notável. A linha reta da carreira o denuncia exatamente por ser tão horizontal, sem os sobressaltos de papéis grandes e memoráveis. Certo: ele encarnou, por exemplo, Forrest Gump (94) e Andrew Beckett em 'Filadélfia' (1993), os trabalhos que lhe renderam estatuetas. Também foi Chuck Noland em 'Náufrago' (2000) e o capitão Miller n''O Resgate do Soldado Ryan' (1998). 'À Espera de um Milagre' (99) e 'Estrada para a Perdição' (2002), este último muita gente esquece, mas é um de seus melhores momentos, também marcaram. Falta-lhe o mito, no estilo Rick Blaine para Humphrey Bogart, ou o R. P. McMurphy para Jack Nicholson. Até mesmo o recente Abraham Lincoln (Daniel Day-Lewis). Sou péssimo a recordar nomes e listas, mas vocês compreendem o que quero dizer? T. Hanks ainda precisa pagar esta conta.

Pode ser que com 'Capitão Phillips' (2013) ele consiga quitar as primeiras parcelas. Todos os especialistas em cinema apontam o ator como vencedor da categoria na festa de 2014 (será realizada no domingo de Carnaval, 2 de março). Difícil prever, pois não sabemos com quem Hanks concorrerá. Mas os burburinhos estão cada vez mais fortes e dão conta realmente de que ele é o favorito. 'Capitão Phillips' é baseado na história verídica ocorrida em 2009, quando o marinheiro Richard Phillips foi feito refém de piratas da Somália. Ele embarcara em Omã, no Maersk Alabama, e o ponto de chegada é o Quênia. O navio leva comida para os pobres. Toneladas de produtos. E a certa altura, já sabendo dos perigos dos mercenários em alto mar, Phillips resolve aumentar a segurança. Não dá certo e seu navio é invadido pelos 4 somalis: Muse (Barkhad Abdi), Bilal (Barkhad Abdirahman), Najee (Faysal Ahmed) e Elmi (Mahat M. Ali). Após as horas de andanças pela nau e uma grotesca falha operacional dos tripulantes, Phillips é feito refém. Os desdobramentos são os conhecidos: a segurança dos EUA é acionada, fazem de tudo para resgatar o capitão. Os somalis, pobres, sujos, mal cheirosos e cheios de suor, ficam com medo e apavorados. O desfecho é o previsível. E como a fita se trata de fatos reais...

'Capitão Phillips' em determinados instantes exala cheiro de suor. Sentimo-nos abafados, no calorão do pequeno navio no qual estão os sequestradores e o prisioneiro. O diretor Paul Greengrass (de 'Voo 93', 2006, e 'A Supremacia Bourne', 2004) ganha pontos nisto. Os quatro somalis estão bem em cena, principalmente Abdi e Faysal. E só estão porque Paul é um ótimo diretor de atores. Tensão e nervosismo parecem pular para fora da telona. As gotas de suor dos personagens grudam no nosso corpo de forma tal que nos vemos incomodados com a situação. Finalmente, o que comentar de Tom Hanks? Está estupendo em frente às câmeras... Impressiona a maneira com a qual lida com cenas de exigência máxima. Aliás, o físico dele lhe cobra em muitas sequências, como as finais, nas quais o seu personagem tenta fugir a nado da embarcação. O roteiro de Billy Ray (de 'Jogos Vorazes' - 2012) nos prende em atenção e medo. Mesmo sabendo que se trata dum suspense com final feliz, tememos pela vida de R.Phillips e queremos a morte dos ladrões. É impactante sentir como nos transformamos nos bichos, animais sedentos pelo sangue dos bandidos nestes nossos tempos. Mas, como se diz, 'é o que temos pra hoje'. Tom Hanks tem tudo para atingir de uma vez por todas o outro patamar da carreira.

Perto de se tornar sessentão, o ator quer se transformar em cineasta. Já dirigiu alguns longas - dentre eles o ótimo 'The Wonders: O Sonho não Acabou' (1996) - e produziu (produz ainda) séries à TV. Ele tem tudo para se tornar uma lenda. Todavia, necessita de um pouco mais de séria bagagem.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

25 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: