Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 02/03/2015 às 10h14
Os mesmos artifícios


RODRIGO ROMERO

O diretor e roteirista Wes Anderson tem 45 anos e já faz os filmes que faz há muito. Pergunto aos meus botões, como diria Mino Carta, como serão suas obras aos 55, 65 anos. A quem se lembra, é dele, por exemplo, 'O Fantástico Senhor Raposo' (2009). Quer mais? É do cineasta também 'Moorise Kingdom' (2012). Identificar um trabalho de Anderson é tarefa fácil, mas com perigo de ocasionar as derrapadas costumeiras. No mais recente, 'O Grande Hotel Budapeste' (2014), os sintomas wesianos estão lá. Cameras ágeis, enquadramentos precisos, a fotografia criativa, o roteiro fechado e, o sempre melhor: personagens simultaneamente estranhos e cativantes. Tudo isto se completa com um elenco afiado e repleto de craques. Aqui perambulam Ralph Fiennes ('O Paciente Inglês', 1996), F. Murray Abraham (o terrível Salieri de 'Amadeus', 1984), além de Adrien Brody ('O Pianista', 2002), Williem Dafoe, Harvey Keitel, Jude Law, Bill Murray, Edward Norton, Tilda Swinton, Mathieu Amalric (de 'O Escafandro e a Borboleta', 2007), Tom Wilkinson, Saoirse Ronan e Owen Wilson (de 'Marley e Eu').

Com um time desses não há como dar errado qualquer projeto. Anderson costuma trabalhar com os seus prediletos, o 'grupinho', ou 'panelinha', como diriam alguns, ainda que existam os que só surjam em pontas, como são os casos de Murray e Wilkinson. Sabedor da teoria, o cineasta, baseado em contos de Stefan Zweig, o escritor judeu que se matou em Petrópolis - RJ, em 1942, por causa da expansão do nazismo, confeccionou 'O Grande Hotel Budapeste' com esmero e sentimentalismo. Na trama, conta-se a trajetória do lugar, onde nos anos 30 Gustave (Fiennes) dava a carta como gerente.

São os mesmos artifícios de Anderson. A fita convence pelo deboche e as alfinetadas sutis nos temas propostos. Ele 'brinca' de filmar. Dá a alguns personagens ares de comicidade proposital. Zero é exemplo quando diz várias vezes ao chefe Gustave para não flertar com sua amada Agatha (Ronan). As peculiaridades, o estilo único de fazer cinema do diretor, dão à história (a outras dele, idem) tons claros de genialidade. É a primeira vez que ele é indicado a melhor diretor no Oscar e se ganhar será merecido e tardio. A conquista deveria ter sido antes... 'O Grande Hotel Budapeste' tem até charme.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

26 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: