Publicidade
Quarta-feira, 19 de Junho de 2019 | você está em »principal»Blogs»O Quinto Poder
Publicado em 17/05/2019 às 16h02
O Cristo e a Redentora


JOSÉ LUIZ BEDNARSKI

A interpretação da História pode ser distorcida à luz de ideologias que ostentam a ingrata pretensão de criar um mundo perfeito, mas o sol da verdade resplandece indisfarçavelmente. 

Por mais que esperneiem os manifestantes, é fato: a escravidão foi abolida no Brasil por uma princesa loira, de olhos azuis e, de quebra, boa católica.

A celeuma merece ser superada. Todos somos iguais e o combate à discriminação é um direito universal, independentemente de cor de pele, origem étnica, posição social, capacidade econômica e credo religioso.

A promulgação da Lei Áurea é o epílogo de uma luta histórica da Princesa Isabel e seus ascendentes. Organizou bailes para arrecadar recursos, com que comprou centenas de alforrias.

Abrigou em seu palácio escravos judiados, concedeu pelo menos duas vezes a primeira dança a respeitáveis senhores ofendidos pelo preconceito e vendeu todas as suas joias pessoais em prol da causa libertária.

Sua campanha contra a escravidão contagiou os familiares. Em Petrópolis, os dois filhos pequenos de Dona Isabel editavam um jornal estudantil abolicionista.

A princesa foi também protetora e madrinha do Quilombo do Leblon. Foi com a pena de ouro presentada pelo líder dessa comunidade que ela assinou a inolvidável Lei Áurea.

Por seu notável ato cristão, Princesa Isabel ficou conhecida como 'A Redentora'. Mesmo assim, houve acerbos protestos contra a abolição. Em defesa, os capoeiristas criaram a Guarda Negra da Redentora.

A França quis presenteá-la com uma estátua. Isabel recusou. Pediu que homenageassem Jesus. Assim nasceu o cartão-postal brasileiro, o Cristo Redentor, vigilante no ponto mais alto do Rio, outro pedido dela.

Criticada pelo escravagista Barão de Cotegipe, pois seu gesto de bondade desencadeou como reação o fim da Monarquia, nossa heroína comentou piedosamente: "Se mil outros tronos eu tivesse, mil tronos eu perderia para pôr fim à escravidão!"

Os ébanos guardiães juraram dar a vida pela princesa. Com o Golpe Republicano, 120 deles foram deportados para Fernando de Noronha e exterminados pelo novo governo.

Discípula da igualmente abolicionista Condessa de Barral, Isabel almejava no Terceiro Reinado promover socialmente os libertos, mas seu sonho foi despertado pela favelização republicana.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

19 JUN
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
O Quinto Poder

Coluna assinada pelo Promotor de Justiça da Cidadania, José Luiz Bednarski. Uma abordagem apartidária, com discussão aberta dos assuntos de interesse geral; o amadurecimento paulatino da cidadania, a força da população em diálogo com órgãos independentes representativos, como MP, Defensoria Pública e outras instituições criadas ou fortalecidas a partir daConstituição de 1988.


E-mail do autor: joseluizbednarski@gmail.com
Arquivo
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
08/10/2018
Qual a sua opinião sobre a mudança do Poupatempo para a região central de Jacareí
  • 70.8%
  • 20.9%
  • 8.3%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: