Terça-feira, 20 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 15/02/2019 às 14h24
Somos culpados


RODRIGO ROMERO

Minimalista. Esta pode ser a palavra a definir 'A Culpa', obra dinamarquesa que disputa vaga no Oscar de filme em língua estrangeira - os 5 finalistas serão conhecidos nos próximos dias.

O enredo é, à vista primeira, de simplicidade estarrecedora: Asger, policial afastado das ruas (vamos saber o motivo só no fim), cumpre temporada como atendente de chamadas no que seria o 190 do Brasil.

Numa delas, inicia conversa com Iben, a moça que logo dá a entender ser vítima de sequestro. Lidar com este caso e todas as suas consequências - eis o fio condutor da fita de 85 minutos.

O cenário é apenas a pequena sala na qual o protagonista papeia no telefone. Não há trilha sonora. Os diálogos dão o tom seguro do roteiro ágil, inconformista. Ao longo da trama, desvendamos alguns novelos.

O ar de ansiedade, claustrofobia e nervosismo que povoa 'A Culpa' dá a entender que a qualquer momento o sobressalto ocorrerá, seja de que lado for. As pistas salpicadas aqui e ali ajudam o espectador a também desvendar determinados esconderijos, tanto de Asger como de Iben.

A direção do estreante Gustav Möller permeia a película com a atuação surpreendente, arrebatadora de Jacob Cedergen (Asger). Ele consegue, com a economia de tudo - espaço, os diálogos, figurino, a luz - fazer um trabalho empolgante.

Para toda a resolução de conflitos, há traumas, e são eles o empurrão ao longa... E qual deve ser o limite da interferência em um determinado problema? Até onde a ética pode ser esticada?

Asger vive muitos dilemas e contribui para o público também refletir sobre as intromissões que se tornam desgastantes, se não inconsequentes. É claro que 'Roma', o filme da moda atualmente, é o superfavorito a levar a estatueta...

Porém, não seria desagradável se 'A Culpa' fosse premiado. São raros os trabalhos enxutos que têm a leveza e proeza de tentar descobrir, com brilho, os buracos da alma de cada um de nós. Foi trabalho de 13 dias, na ordem cronológica, de estudantes recém-formados da Escola Dinamarquesa de Cinema. Cotação: ótimo.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

20 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: