Publicidade
Domingo, 17 de Junho de 2018 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 09/03/2018 às 14h45
Um filme bem feito


RODRIGO ROMERO

Em um misto de falso documentário com dramalhão quase esbarrando no mexicanismo, 'Eu, Tonya', o filme que levou a outro patamar a atriz Margot Robbie ('Um Lobo em Wall Street', 2013), consegue prender o espectador pela violência extrema e ao mesmo tempo a ternura sem igual na carência da personagem-título, a patinadora Tonya Harding.

Desde muito cedo ela sofreu com a forte exigência da mãe, LaVona (Alisson Janney, a mãe de 'Juno' - 2007), a espécie de Fletcher (o professor sádico de 'Whiplash' - 2014) em versão feminina, para se tornar profissional do esporte e ganhar todas as medalhas possíveis. Tonya era sucessivamente humilhava por ela, e apanhava até dizer 'chega!'.

E não foi à toa que desejou casar cedo. Aos 20 anos, ela pensou ter encontrado o amor de sua vida, Jeff (Sebastian Stan, de 'Perdido em Marte', 2015). Enganou-se. Levou bordoadas dele também. Mesmo com tantos traumas, Tonya sempre se sobressaía. Treinava horas e horas por dia e exigia de si a força descomunal que não tinha na vida sentimental.

LaVona foi desumana, impiedosa a qualquer tempo. Impassível, ficou indiferente ao relacionamento da filha. Aviltava Tonya sem sossego... O longa tem a direção do australiano Craig Gillespie (dos bobos 'A Garota Ideal', 2007, 'A Hora do Espanto', 2011). O seu comando é seguro e surpreende em determinadas sequências.

Não foi à toa que 'Eu Tonya' foi indicado a 3 Oscars, na festa que ocorreu semana passada: atriz (Margot), coadjuvante (Alisson) e a edição. Margot está impecável. Se eu fosse um votante da Academia, preteria Frances McDormand (ganhadora da estatueta na festa de domingo passado) e depositaria meu voto em Margot. Descabelou-se ao papel, e apenas por isso perdoa-se os tantos palavrões que diz na fita. Em nada lembra a depravada- de outra maneira - de 'O Lobo de Wall Street', a esposa de Jordan (Leonardo DiCaprio), Naomi.

A atriz está segura e não dá espaço para o erro. E o que dizer de Alisson? Finalmente ela teve um papel à altura de seu talento. A caracterização de sua personagem está alinhado ao real, e, como toda boa história baseada em fatos, no fim podemos comparar os atores e atrizes com as pessoas verdadeiras, e é neste ponto que temos a grata admiração de que estes são piores ou de igual caráter que os interpretados em 'Eu, Tonya'. Por isso, Alisson levou o Oscar de atriz coadjuvante.
Duração: 119 minutos. Cotação: bom.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

17 JUN
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
08/04/2017
A Prefeitura voltou a permitir o estacionamento rotativo pago, das 9h às 16h, na rua Barão de Jacareí. Vc concorda com a medida?
  • 46.1%
  • 40.7%
  • 7%
  • 6.2%
06/02/2017
Qual a sua opinião sobre a qualidade do serviços prestados pelo SAAE em Jacareí?
  • 34.1%
  • 31.9%
  • 24.1%
  • 9.9%
Publicidade
Logos e Certificações: