Domingo, 23 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 19/02/2016 às 10h43
‘Spotlight’


RODRIGO ROMERO

A vontade fixada em mim logo após ver Spotlight: Segredos Revelados (em cartaz desde 7 de janeiro) foi de querer ler o jornal do dia seguinte. Se você, leitor, me perguntar se o filme é mais um daqueles sobre o Jornalismo em si, mas baseado em fatos reais, eu responderia: sim, porém há algo maior em relação a apelidar a trama desta forma simplória.

A verdade está no teor da investigação da turma do Boston Globe acerca de denúncias de pedofilia praticada por padres entre as décadas de 1970 e 1980. Os reverendos, em meados dos anos 2000, estavam incólumes e eram detentores de altos cargos, uns até no Vaticano. Ao relembrar o caso, citado 'por cima' numa coluna, o novo editor-chefe do Globe, Marty Baron (Liev Schreiber), resolve reabri-lo e a isso conta com a trupe de repórteres denominada Spotlight (holofote em português), liderada por Robby (Michael Keaton) e composta por Mike (Mark Ruffalo) e Sacha (Rachel McAdams). Eles vão atrás de vítimas e por meio delas descobrem que o tal novelo é maior do que imaginavam.

Com o auxílio do advogado Garabedian (Stanley Tucci) montam o quebra-cabeça. A verossimilhança do longa de Tom McCarthy está na entrega de Keaton, Rachel e principalmente Ruffalo, que dá ao personagem ares de revolta incontida, somada à adoração pela sua curiosidade extrema. Trata-se de uma produção densa, repleta de diálogos tensos e, portanto, blocked afiado.

Não à toa, está na lista das principais categorias do Oscar, que acontece na próxima semana. McCarthy, até então um diretor-ator de bobagens como 'Pixels' (2015) e 'Trocando os Pés' (2015), se mostra um competente comandante. É óbvio que 'Segredos Revelados' não se aproxima de ícones do cinema dito 'jornalístico', como 'Todos os Homens do Presidente' (1976) e o recente 'Boa Noite e Boa Sorte' (2005), sem citar o totem 'Cidadão Kane' (1941). Mas, acredito, as tramas feitas sob este lençol raramente fracassam.

É um assunto que atrai publicidade porque na maioria das vezes os produtores pegam histórias reais. Quando o elenco contribui, como é o caso de 'Spotlight', se torna, ou deveria, pelo menos, se tornar referência aos estudantes de Jornalismo. E a trama se passa entre 2007 e 2013, quando os exemplares do periódico soltam as manchetes avassaladoras. Havia a internet e todos os aparatos possíveis. Talvez seja o primeiro a, se não me engano, levar à telona os jornalistas tendo as facilidades. Mais que isto, a fita aborda a perseverança, a objetividade de se contar uma boa história.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

23 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: