Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 21/10/2013 às 10h36
Sem metafísica


RODRIGO ROMERO

Alguns meses atrás ganhei o livro 'Ensaio Sobre a Cegueira', de José Saramago. Sem perder o tempo dos sossegados, comecei a lê-lo no mesmo dia e acabei-o em pouco tempo. A história possui o poder de atenção esquisito, como se o autor quisesse barganhar com o leitor. J. Saramago nos infiltra reflexões tardias e tateantes. Teorias de crença, autoestima e piedade compõem a obra, lançada há 18 anos. Deparamo-nos com provocações e inseguranças. 'Ele sabia que estava em frente ao espelho e se apavorou: o objeto ali podia vê-lo, ele não', é a frase das mais angustiantes do livro e nos chuta para o desafio sobre sermos invariavelmente cheios de si, mas com um simples clique, epidemia de cegueira branca, o mar de leite frente aos olhos, nos tornamos vulneráveis como as poeiras do chão- qualquer vento nos destrói. Outra fincada: 'É desta massa que nós somos feitos, metade indiferença e metade ruindade.' Até onde podemos nos aprouver? Rompem-se as estratégias do cotidiano com a cegueira.

Demorou para eu assistir ao filme baseado no livro. Vi-o cerca de dez dias atrás somente. E a decepção, claro, clareou. Lançado em 2008, o homônimo me soou como uma lição onde o aluno não está preparado àquilo e faz porque é obrigado. Fernando Meirelles ('Cidade de Deus' - 2002) estava longe de ter sido forçado a rodar 'Ensaio Sobre a Cegueira'. Talvez o tenha feito com preocupação de agradar ao escritor. A inquietação excessiva pode ser. O resultado foi um longa-metragem totalmente frio e distante, mecânico e inodoro, fútil e descartável. Julianne Moore (de 'As Horas' - 2002), Mark Ruffalo ('Ilha do Medo' -2010), Alice Braga ('Eu Sou a Lenda' - 07) e Gael Garcia Bernal ('No' - 12) estão no elenco. Explico aos leitores que os personagens não têm nome e a ação se passa num lugar desconhecido (as filmagens ocorreram no Brasil, Japão e Canadá) e é atemporal. A pitada de ânimo é o ingrediente faltante à aventura. Fernando Meirelles patinou como cego e não enxergou onde errou.

O enredo é a cegueira. O mal cai na cidade e todos os habitantes são contaminados. Porém, a diferença simbólica: nos olhos, ao invés do pano negro, a parede branca. De início, as vítimas creem na solução rápida, afinal, veem branco e não preto. O primeiro a cegar é o motorista, em frente a um farol. Depois, o oftalmologista que o atendeu. A esposa do motorista, o ladrão de seu carro, os outros pacientes do consultório etc. Como a fileira de dominós, a doença se espalha. A única sã é a esposa do médico. Ao serem levados para a quarentena, ela (Moore) vai junto e finge não ver. O ambiente está decrépito. Há racionamento de comida, não há banheiros, as camas são muito próximas e aos poucos os vilões surgem. Na situação surgem paixões, ansiedades, desconfianças, indagações. A dependência é o pior dos males e o mais surpreendente deles. J. Saramago aborda afrontando-nos. A personagem de Moore está a um passo de se entregar, claudicante, exasperada, terminada. Ninguém a reconhece.

Mário Lago disse certa vez que a TV é fascista, 'não há meio termo'. Com o cinema é igual. Ele se referia a adaptações da literatura. Posto na tela, é aquilo e fim de papo. A imaginação é deixada de lado. Li e vi 'Lolita', de Vladimir Nabocov. O livro, de 1955, os filmes (foram dois), de 1962 e 97. Creio ser o caso único de tanto as páginas como o roteiro serem esplêndidos em sua forma. As fitas foram dirigidas respectivamente por Stanley Kubrick e Adrian Lyne e possuem beleza própria, sensualidade inédita e riqueza de atuações (James Mason e Peter Sellers em 62 e Jeremy Irons e Dominique Swain em 97). Não é como 'Ensaio Sobre a Cegueira' de Meirelles. Ali tudo parece ter se contaminado e está apagado. É como o 'Esteves sem metafísica', como escreveu Álvaro de Campos (Fernando Pessoa) na 'Tabacaria'; ou seja, falta-lhe algo de comprometedor, o elo da emoção com a tensão. Chocam-se eles.

No documentário 'José e Pilar' (2010), que mostra os últimos três anos de vida do português, após assistir à fita (numa cena onde Meirelles está nervosíssimo, aguardando a aprovação ou não de Saramago), este diz, emocionado, pra alívio do brasileiro: 'Ganhamos o dia.' Saramago foi bonzinho.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

27 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: