Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 15/12/2014 às 18h36
Pior – Melhor


RODRIGO ROMERO

Se estivesse vivo, dia 10 de outubro seria o nonagésimo aniversário do diretor e produtor Ed Wood. E semana passada, dia 10, completaram-se 36 anos de sua morte. Com título de 'o pior diretor de todos os tempos', Wood nada tinha de ingênuo. Sabia da qualidade de seus trabalhos e os filmava de maneira torta de propósito. A fita 'Plano 9 do Espaço Sideral' (1956) foi considerada pelos críticos dos EUA como 'a pior história de todos os tempos'. Nos dias de hoje, Wood seria cultuado e bajulado.

As montagens de suas realizações eram precárias. Reusava material de produções largadas e os efeitos especiais eram toscos. A descontinuidade era marca registrada. O orçamento estrangulado fez com que o cineasta incorporasse a feição de fã da imagética e não de planos lineares. Na verdade, era apaixonado por rodar tramas e esta característica cativou os seguidores. Bela Lugosi, ator que se tornou lenda por ter interpretado Drácula nos anos 1930, fez os últimos filmes sob direção de Wood.

Não era somente isso. Wood amava escalar no cast atores caricatos. Tor Johson foi exemplo máximo. Ex-lutador de luta livre, o sueco virou marca registrada dos roteiros.  Ed Wood se fixou em seu ramo. Pouca grana, cenários à Chaves, diálogos à toa e figurinos delinquentes faziam parte deste metiê do artista. Ele ensinou a muitos dos aprendizes como fazer a engenharia da coisa. Pra ele, seus dramas fictícios valiam tanto quanto o suporte por detrás de tudo. Amava a arte de filmar, o cinema.

Em 1994, Tim Burton (só poderia ser ele mesmo para ter a ideia) filmou a cinebiografia de Ed Wood. Com Johnny Depp no papel-título e Martin Landau como Lugosi (ganhou inclusive o Oscar de coadjuvante - o filme concorreu também no quesito maquiagem), o longa-metragem custou mais do que todas as películas de Wood juntas. Burton optou por focar na década de 50, quando Wood estava envolvido com atores em fim de carreira (como B. Lugosi) e produziu blockeds de péssima qualidade.

Há, é claro, uma lição embutida na trajetória do diretor-produtor-roteirista. Como escrevi há algumas semanas, de forma repetida e chata até, 2014, para a sétima arte, pode ser jogado no lixo. É fatalidade de se estar no imbróglio dos nossos tempos, recheados de 'Jogos Vorazes', 'Transformers' e afins, para não mencionar as comédias frouxas brasileiras ou estadunidenses. Os grandes nomes do ecrã mundial estão, pouco a pouco, indo embora. É a natureza que age. Pobres de nós, ainda mortais. Quem é que sobra, hoje em dia, pra escrever as histórias? Falar de Woody Allen é chover no molhado e não ajuda nada. Ou lembrar de Manoel de Oliveira, 106 anos, incrivelmente ativo. É preciso reformular o cinema.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

18 SET
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: