Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 03/06/2016 às 10h20
O Tarantino de sempre


RODRIGO ROMERO

'Os Oito Odiados' (2015) é, como diz o título, mais um Tarantino de sempre. Não que isso desmereça o diretor. Ao contrário. Ao insistir em fazer praticamente a mesma trilha sonora, ter igual fotografia e no elenco o hoje veterano Samuel L. Jackson, com blocked um tanto escorregadio, trata-se de outra, ou mais uma, celebração do cinema.

A duração-de três horas e sete minutos-parece querer mostrar que o ex-atendente de locadora de vídeos ama a sétima arte. 'Vejam: sou capaz de segurar vocês por 3 horas!', deve sempre pensar Quentin, um dos ainda grandes que jamais segurou a estatueta do Oscar e, se ele for seguir seu cronograma e se aposentar daqui a duas fitas, quando totalizará 10 ('Kill Bill' é contado uma vez) pode se igualar a Charles Chaplin e Alfred Hitchcock pelo menos neste quesito.

Se a gente assistir a 'Os Oito Odiados' temos lá a mocinha nada mocinha- o retorno de Jennifer Jason Leigh, na pele da prisioneira Daisy, aos palcos do estrelado hollywoodiano (foi até indicada ao Oscar de atriz coadjuvante) - o capanga meio trouxa (S. Jackson como Major Warren) e o xerife ainda mais trouxa (Walton Goggins é Mannix). A turma sempre espera alguma coisa ou alguém. Às vezes nada ocorre e assim os rolos do longa andam.

Tarantino quer sangue? Aqui temos demais, como em todos os seus outros trabalhos. O diretor quer frases afiadas e destemidas? O garçom as oferece ao público a esmo. O cineasta nasceu pra isso. Tem na veia a fixação por 'achados que pareçam velhos', se eu me faço entender bem. Será óbvio que se você sentar na sua poltrona e ver 'Os Oito Odiados' se lembrará de 'Bastardos Inglórios' (2009), 'Django Livre' (2012) e 'Cães de Aluguel' (1992) fatalmente.

E é por isso que escrevi antes que não é ruim ter este tipo de sensação. Mais do que uma marca registrada, o caso é de uma tatuagem. Em Tarantino está desenhado o espírito do velho faroeste misturado com os vis nazistas, ao mesmo tempo em que comanda jovens arrojados e destemidos. Está tudo nos filmes dele: fotografia antiga, atuações seguras (Jackson tinha de ter ganhado o Oscar por 'Django Livre) e uma trilha sonora de respeito, além da direção mão-firme dele próprio.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

27 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: