Domingo, 25 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 15/09/2014 às 09h31
Mulher nota 1.000


RODRIGO ROMERO

'Lucy' estreou no país há 20 dias. Mostra Scarlett Johansson, a bela, no papel-título. Ingênua, deixa-se manipular por um amigo e cai numa cilada que envolve drogas, chineses e os meandros da fé. A moça está na Ásia e é encarregada de levar a droga C.P.H. 4 no estômago para a Europa, junto com os outros quatro rapazes. Cada um vai a um país. Mas pouco antes, quando o capanga do chefe tenta estuprá-la e ela recusa, leva a surra que mudará a sua vida. Ao apanhar, os pacotes com a droga explodem dentro dela e o material a faz ter superpoderes que deixariam o Superman com inveja. Na verdade, paralelo a isto, vemos Norman (Morgan Freeman), o professor que estuda a capacidade do cérebro. Ele se pergunta: 'Hoje usamos 10% do cérebro. O golfinho é o mais inteligente, usando 20%. O que ocorreria se conseguíssemos usar 100%?'. Nesta tese, Lucy começa a desenvolver o raciocínio de maneira extraordinária. Vai a 20%, depois 30%, 40%. Aí, consegue controlar as pessoas, dominar a informática, a telecinesia, e a inteligência apurada. Logo, parte em busca de mais C. P H. 4, pois ela sabe que morrerá em um dia porque o seu corpo não suportará a química ali. Lucy quer vingança. E, para tanto, contará com a ajuda de um delegado desconfiado, mas completamente absorto nas ideias, Pierre Del Rio (Amr Waked). A fita levou 10 anos desde a concepção primeira do diretor Luc Besson.

Besson, diretor, ator, produtor, editor, roteirista francês, de 55 anos, é cineasta maiúsculo. O filme 'Lucy' é seu 15º trabalho como diretor. Ele não leva muito tempo para nos convencer de que é a história do momento. Mesmo com pouca duração - 89 minutos - trata de temas conturbados como gente grande. Questões que envolvem ciência, religiosidade, tecnologia e presente com o passado vão e vem no blocked bem preparado por Besson. Ao testar a paciência do espectador com muita violência e efeitos especiais à toa em determinados casos, 'Lucy' cai bem no paladar da sétima arte. E, enfim, a afirmação tão aguardada: Scarlett Johansson está na melhor fase tanto da vida como na profissão. A filha dela, Rose, com o jornalista francês Romain Dauriac, nasceu por estes dias e 'Lucy' conquistou a maior quantidade de elogios possível. Besson declarou algum tempo atrás que a película era mistura de três clássicos: 'O Profissional' (94), comandado por ele próprio, 'A Origem' (2010), de Christopher Nolas, e '2001: Uma Odisseia no Espaço' (1968), do mago Stanley Kubrick. Afora possíveis exageros que se possa ter, o realizador francês acertou na mosca. As sequências de ação, perseguições e tantos tiros a esmo lembram a fita da década retrasada. O teor de elucubrações, viagens psicológicas e suas determinações no futuro são coesos com o filme de Nolan. E de '2001' tem referências e reverências.

A coincidência, porém, fica com Scarlett. Após emprestar a voz a Samantha no excelente 'Ela' (2013), a atriz de novo esteve às voltas com um longa-metragem cheio de ilusões da informática, e o futuro ao seu dispor. Mas a artista tem isto de bom. Aos 30 anos de idade e 20 de carreira, trabalhou em 38 filmes com os mais diversos diretores. Desde aqueles cults como Sofia Coppola ('Encontros e Desencontros', 2002), Woody Allen ('Match Point: Ponto Final', 2005, 'Scoop: O Grande Furo', 06, e 'Vicky Cristina Barcelona', 2008) e Brian de Palma ('Dália Negra', 2006), até estreantes como Joseph Gordon-Levitt ('Como não Perder Esta Mulher', 2013), e Shainee Gabel ('Uma Canção de Amor para Bob Long', 2004), e os 'descolados', como o já citado C. Nolan ('O Grande Truque', 06) e Michael Bay ('A Ilha', 2005). O dom de saber escolher bons papéis nunca foi o forte dela. Todavia, a versatilidade é a mãe dos indecisos. Ao optar por trabalhos tão discrepantes- 'Lucy', a mulher nota 1.000, é a mais clara delas - Scarlett acerta o alvo no atual. Já errou aqui e ali. Desta vez foi no centro do círculo com a sua flecha, assim como tinha sido ao aceitar participar de 'Ela'. Scarlett é o tipo de artista que não para. Tem alguns filmes prontos para estrear em 2015 e 2016. Todos blockbusters. A balança pende a este lado, o dos comerciais. E quando a agenda permitir, rodará algo de mais sustância, como 'Lucy'.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

25 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: