Publicidade
Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2021 | você está em »principal»Blogs»O Quinto Poder
Publicado em 30/03/2018 às 18h58
Liberdade Religiosa em Jacareí


JOSÉ LUIZ BEDNARSKI

A intolerância religiosa é filha do fanatismo e espalha atitudes sectárias destrutivas. Infelizmente, nem o povo ordeiro de Jacareí está a salvo do problema, que põe em risco valores civilizatórios fundamentais.

Existem ao menos três espécies de intolerância religiosa, e não somente a exercida contra credos minoritários, como comumente se imagina.

Os opressores costumam se referir aos fiéis com expressões pejorativas, como chamar de 'crentes' os protestantes (em voga décadas atrás, mas que caiu em desuso com o crescimento evangélico).

Atualmente, os que mais padecem com essa discriminação são os seguidores das crenças de raiz africana, que recebem a pecha social de 'macumbeiros'. Sofrem literalmente na pele, pois subjaz também um componente racial.

A segunda modalidade de intolerância é praticada pelos ímpios contra as igrejas prevalecentes. Estão aí a moralidade cristã e os valores familiares bombardeados diariamente pela ideologia libertina mostrada nas novelas e programas de tevê.
Outra forma é a intolerância praticada pelos ministros contra o próprio fiel, muito comum em nações islâmicas de extremo subdesenvolvimento, que mesclam à religião interesses políticos e sede de poder, com aniquilamento dos verdadeiros direitos humanos e jugo da população mais humilde.

Inestimável o prejuízo social causado pelos arautos do atraso e da obscuridade. Na França, por exemplo, o voto feminino só foi permitido a partir de 1945 por uma questão de intolerância religiosa: temiam infundadamente as autoridades que o catolicismo fervoroso das gaulesas influenciasse a opção de escolha no exercício do sufrágio.

Aqui mesmo, na sesmaria de Antônio Afonso, enquanto não se implantou o Estado laico, no antigo e único cemitério da época (hoje soterrado por uma padaria na Rua Barão), só tinha direito ao digno sepultamento quem professasse a religião governamental.

A desconstrução dos dogmas religiosos e a moderna falta de espiritualidade foram ingredientes fundamentais para o caos de corrupção, violência, desrespeito ao próximo e desprezo à vida que se instalou no Brasil.

A liberdade religiosa só não deve ser absoluta diante dos indispensáveis limites legais. Cultos e oferendas protegidos de depredadores, sim. Poluição sonora, contaminação das águas, sacrifício de animais e sujar os espaços públicos, jamais.

Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

26 FEV
Publicidade
Notícias
facebook
Artigos
Perfil do Blog
O Quinto Poder

Coluna assinada pelo Promotor de Justiça da Cidadania, José Luiz Bednarski. Uma abordagem apartidária, com discussão aberta dos assuntos de interesse geral; o amadurecimento paulatino da cidadania, a força da população em diálogo com órgãos independentes representativos, como MP, Defensoria Pública e outras instituições criadas ou fortalecidas a partir daConstituição de 1988.


E-mail do autor: joseluizbednarski@gmail.com
Arquivo
Publicidade
Publicidade
14/01/2021
Santos e Palmeiras disputam a final da Taça Libertadores no dia 30 de janeiro, às 17h, no Maracanã. Na sua opinião, qual dos dois será o campeão?

Nenhuma enquete encontrada!

Logos e Certificações: