Quarta-feira, 21 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 29/01/2016 às 16h26
Laerte dinamarquês


RODRIGO ROMERO

'A Garota Dinamarquesa' (estreia daqui a um mês no Brasil) é um filme de fotografia bela e direção sóbria de Tom Hooper. As duas produções mais conhecidas sob a sua batuta, o premiado 'O Discurso do Rei' (2010) e 'Os Miseráveis' (2012), são densos, fortes, mas ao mesmo tempo, regulares, com zero de empolgação. Tem mais valor a técnica. No caso do mais atual, o consagrador é a atuação de Eddie Redmayne. Ganhador do Oscar de Melhor Ator ano passado por 'A Teoria de Tudo' (14), concorre na festa do dia 28 de fevereiro, mas, tudo indica, deve perder para Leonardo DiCaprio, por  'O Regresso'.

A história conta o real drama do pintor Einar Wegener. Nos primeiros anos do século passado, o seu pioneirismo por ser transexual abalou a Europa. A nova personalidade, Lili Elbe, foi a primeira a se submeter a uma cirurgia genital. Antes um pintor renomado, Lili resolveu abandonar a carreira e se dedicar a afazeres femininos. Morreu em 1931, aos 42 anos, por complicações pós-operatórias numa cirurgia de transplante de útero. Até mudar de sexo foi casado com a também artista Gerda Wegener.

O roteiro perpassa todo o sofrimento de Gerda em ver o marido indo embora com o surgimento de Lili. Em parte, a esposa o incentivou no começo, quando pensava ser somente um jogo de sedução as aventuras de figurino de Einar. Num determinado instante, ele usa a camisola dela. Em outro, posa para que Gerda termine um quadro. Tudo se degringola porque para Einar isto é um complemento a uma autoestima modificada desde a infância.

Redmayne é Lili. A sueca Alicia Vikander (de 'O Amante da Rainha' - 2012) dá vida a Gerda. Está tão bem ou melhor que o parceiro. Hooper sabe trabalhar atores para tal dedicação e esta fita precisa de aprofundamentos especiais, principalmente falta de pudores.

O desempenho de Redmayne não bate 'A Teoria de Tudo'. Quase empata. Ele não é um canastrão, por exemplo. Sabe trabalhar bem. Talvez o único senão seria a forma como o ator cumpre o papel. Deve-se tomar cuidado com, digamos, um excesso de 'falsa meiguice'. Passa ao público a ideia torta de que o principal é nos tocar no sentido emocional, quando o objetivo é simplesmente dar vida a uma personalidade controversa, e bastante, à sua época. Compreender a importância deste 'Laerte dinamarquês' é espiar o mundo d'outra forma.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

21 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: