Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 30/11/2015 às 11h06
Filme de crise


RODRIGO ROMERO

A crise está aí. Há um ótimo filme cuja estampa é a situação atual econômica. Refiro-me a 'Dois Dias, Uma Noite' (2014). Marion Cottilard ('Piaf', 2007) é a funcionária que foi afastada por conta de sua depressão. Prestes a voltar, recebe a notícia: por votação, operários optaram por ter um bônus de mil euros ao invés de reintegrá-la ao cargo. Angustiada, recebe o conselho do marido. A tarefa é árdua: ir atrás dos 16 colegas no fim de semana para fazê-los mudar de ideia.

'Dois Dias, Uma Noite' vale pela protagonista. Marion parece querer nos testar e atua de forma quase excepcional, propositalmente. Não à toa, concorreu ao Oscar. Transformar o ambiente cada vez mais miserável de nosso tempo foi a função da fita, que consegue passar por cima da crise e centrar ações na aventura de Sandra. Esquecemo-nos de que ela tem o marido fiel, devotado, e nos concentramos em suas gotas de suor que servem como argumentos para aliciar os camaradas. Nas várias vezes em que tenta desistir, porém, é o companheiro quem lhe segura a mão e diz a ir em frente. O risco de o estresse de Sandra subir é grande. A moça descobre as tramas montadas pelo chefe para persuadir os empregados e vai à luta. O resultado me fez lembrar o desfecho de 'Aconteceu Naquela Noite (1934).

Há quem veja semelhanças entre Sandra e Amy Kane, a personagem de Grace Kelly no bang-bang 'Matar ou Morrer' (52). Amy também precisa convencer o marido a evitar derramamento de sangue, mas, em vão. No caso da belga, ela precisa lidar com 16 cabeças distintas, 16 maneiras de agir, pensar e agir de novo, 16 índoles e caráteres etc. E a crise? O retrato de 'Dois Dias, Uma Noite' é a paisagem nossa de cada dia. Nada mais atual e comovente. Existem longas-metragens sobre igual tema e este, dirigido pelos irmãos Jean-Pierre e Luc Dardenne, soma. O momento de Sandra não é dos melhores e ela cai diante de informações acachapantes acerca de sua rotina na fábrica, como 'não precisamos mais de você' ou 'o que 17 faziam 16 fazem bem' etc. Ela ser do sexo feminino conta ponto nisto tudo.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

27 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: