Quarta-feira, 18 de Julho de 2018 | você está em »principal»Blogs»O Quinto Poder
Publicado em 11/05/2018 às 14h51
Cordialidade e Educação


JOSÉ LUIZ BEDNARSKI

Por mexer com a emoção de muitos fãs, é fato que o futebol é mais que um esporte. Envolve questões políticas, econômicas e culturais, além de trazer lições de vida sobre inteligência emocional e gerenciamento de relações pessoais. Não por acaso, já foi tema de livros como Como O Futebol Explica O Mundo (de Franklin Foer) e sua cria tupiniquim O Futebol Explica O Brasil (Marcos Guterman).
Nesse contexto expandido, meses atrás, em entrevista coletiva após um jogo contra o São Paulo, o técnico do Corinthians queixou-se do comportamento do compenetrado treinador adversário, que não o cumprimentou antes da partida. Classificou o adiamento da saudação para depois da peleja como falta de educação.

O profissional de alto gabarito, como é o caso do atual campeão paulista e brasileiro, certamente merece uma atenção especial. Adequado que lhe rendam todas as homenagens de estilo. Entretanto, não se pode confundir uma lacuna de cordialidade com falta de educação, pois os conceitos envolvidos são distintos.
Cordialidade é o tratamento carinhoso, atencioso, obsequioso, demonstrativo de acolhimento, integração, humildade, hospitalidade, abertura ao diálogo e calor humano. Com sua alma alegre e espontânea, o brasileiro é insuperável e nota 10 em todos os quesitos acima.

Já educação é outra coisa: é saber controlar seus instintos primários, agir com postura digna e respeitar o próximo. Por exemplo, diminuir o volume do som durante o período noturno para preservar o descanso da vizinhança, cuidar para que o dinheiro do governo seja utilizado somente para o interesse público, evitar jogar lixo na rua e repudiar qualquer tipo de violência contra os mais frágeis (idosos, mulheres, homossexuais e alunos inadaptados).

Embaraçar o trabalho de um fiscal que desempenha regularmente sua função, barafustar-se pelos estabelecimentos antes mesmo de aguardar quem pretende sair pela mesma porta e ignorar a fila de atendimento sob pretexto de somente pedir uma informação são algumas situações cotidianas que sinalizam estarmos muito aquém de parâmetros aceitáveis de educação.

É comum ouvir viajantes reclamarem da falta de calor humano nas nações do Primeiro Mundo, mas muitas vezes se sofre é por sua própria deficiência de educação.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

18 JUL
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
O Quinto Poder

Coluna assinada pelo Promotor de Justiça da Cidadania, José Luiz Bednarski. Uma abordagem apartidária, com discussão aberta dos assuntos de interesse geral; o amadurecimento paulatino da cidadania, a força da população em diálogo com órgãos independentes representativos, como MP, Defensoria Pública e outras instituições criadas ou fortalecidas a partir daConstituição de 1988.


E-mail do autor: joseluizbednarski@gmail.com
Arquivo
08/04/2017
A Prefeitura voltou a permitir o estacionamento rotativo pago, das 9h às 16h, na rua Barão de Jacareí. Vc concorda com a medida?
  • 46.1%
  • 40.7%
  • 7%
  • 6.2%
06/02/2017
Qual a sua opinião sobre a qualidade do serviços prestados pelo SAAE em Jacareí?
  • 34.1%
  • 31.9%
  • 24.1%
  • 9.9%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: