Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 16/09/2016 às 10h41
Como fiquei depois do filme


RODRIGO ROMERO

A avalanche de espectadores do filme 'Como Eu Era Antes de Você' (2016) me fez repensar acerca da importância real de se produzir e realizar o longa-metragem. Todo mundo conhece a história: uma moça desengonçada, mas carismática, consegue emprego para ajudar a cuidar de um deficiente físico bonitão e milionário.

O resto é blá blá blá sem interesse. Mas como se passaram alguns meses desde a estreia, posso identificar e pescar características por trás da obra. Em julho, o jornalista e autor de novelas Aguinaldo Silva fio entrevistado no 'Roda Viva' e a certa altura disse: 'Se um dia pensarem no remake de Tieta, eu mato! São produtos como ... E o Vento Levou, não tem como fazer de novo'. Na mosca foi a flecha.

'Como Eu Era Antes de Você' arrebatou os corações açucarados das menininhas, talvez pelo desfecho lacrimoso ou pela simpatia do casal. Na verdade, o livro de Jojo Moyes foi feito a ser vendido aos borbotões. Aliás, se você deseja fazer sucesso como escritor, perambule pelo caminho dos romances melados e se dará bem.

Ponha pitadas de melancolia, algum fato para o público sentir pena de alguém, a cena tocante e 'voilá': eis o acabamento específico pra conquistar cativas fãs. Não se importe com a qualidade. No caso de 'Como Eu Era...', Emilia Clarke e Sam Claflin são os rostos de beleza da vez. Ela até é bem talentosa. Imprimiu alegria contagiante à personagem com o sorriso que enche a boca, enfeitado por um par de olhões verdes que vivem intensamente.

Já Claflin faz o que os galãs têm a missão de fazer: olhares pidões, voz gutural arrumada devidamente no computador e os bons ventos das câmeras. E notem como tudo é efêmero: Emilia e Sam são agora o que até há alguns anos eram o casal-Crepúsculo Robert Pattinson e Kristen Stewart, a mulher sem expressão. Muitos anos? Dez, vinte? Não. Apenas 5 ou 6. Como antes tínhamos Leonardo DiCaprio e Kate Winslet, pelo 'Titanic' (97).

Tudo é pó, é nada. Cada macaco em seu galho. Se nos referirmos a Clark Gable e Vivien Leigh, por '... E o Vento Levou' (1939), não podemos mais fazer comparações. Como fiquei depois do filme? Cansado. Cansado de ver tanta coisa ruim.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

26 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: