Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 17/02/2014 às 17h31
Cate e mais 10


RODRIGO ROMERO

Woody Allen às vezes acerta, às vezes acerta também, mas menos. Com 'Blue Jasmine' (2013) é a segunda alternativa a correta. O filme conquistou três indicações ao Oscar de 2 de março: roteiro, claro, a Allen, e às atrizes Cate Blanchett e Sally Hawkins, respectivamente nas categorias principal e coadjuvante. Do trio, em nenhum concorrente, se eu votasse, deixaria a minha simpatia. Mas vamos aos fatos e estatuetas ficam de lado. Cate está impecável no papel-título. Jasmine é uma ex-dondoca. O marido, Hall (Alec Baldwin) era empresário e roubou muita gente. Foi descoberto, preso e acabou cometendo suicídio. Sem rumo, a ex-rica pede ajuda à irmã, Ginger (Sally). Esta mora no subúrbio, é destemperada, tem o relacionamento nervoso com um 'perdedor', como diz Jasmine, mas recebe sua mana para uma temporada. A Jasmine, a condição se mostra totalmente desfavorável. Ela de modo algum se acostuma com a casa minúscula, a sujeira no chão, ao comportamento do casal. Além disso, Jasmine desenvolveu um cotidiano perturbador e fala sozinha, como se todos quisessem saber sobre a tragédia familiar. E quando encontra o novo milionário disposto a namorá-la, a protagonista mente e enfia os pés pelas mãos. Círculo vicioso à parte, 'Blue Jasmine' roda, roda, e... fica no mesmo lugar.

Woody Allen é especialista em 'neuras' e 'Blue Jasmine' seria a mistura mal acabada de duas obras-primas do diretor e roteirista: 'Interiores' (1978) e 'Setembro' (1987). Se para você, leitor, isso soou como exagero, me perdoe. Evidentemente, esses filmes antigos são referência aos cinéfilos e as contribuições à sétima arte, grandiosas - Woody Allen homenageou a técnica de filmagem de Ingmar Bergman, seu ídolo. 'Blue Jasmine' pega a crise estadunidense de alguns anos atrás e recheia-a com o drama de uma mulher submissa aos dólares e que se vê desamparada e desorientada. A loucura bate à porta, porém, suavemente, com o auxílio da irmã. O 'nojo' que o personagem de Cate sente quando pisa na casa de Ginger é espantoso e igualmente discreto, porque ela, Jasmine, precisa rapidamente se acostumar com seu novo estilo de vida. Aliás, é bom detalhar: este 'Blue Jasmine' é Cate Blanchett e mais dez, como se diz no futebol. Apesar de não considerá-la a melhor dentre as finalistas ao Oscar (o prêmio deveria ser de Sandra Bullock, por 'Gravidade' - Cate é a favorita das bolsas de apostas), o longa-metragem não funcionaria se contasse com outra atriz neste papel. Cate repete, para melhor, a retumbante atuação dos dois 'Elizabeth' (98 /2007). Ela domina a película e sai dela totalmente ilesa.

O roteiro de 'Blue Jasmine' foi sugerido pela esposa de Woody Allen, Soon-Yi Previn, após ela conhecer uma mulher com os problemas idênticos aos de Jasmine. E outro ingrediente é a cidade de Nova Iorque. O retorno da musa inspiradora do cineasta se deu depois de quatro anos perambulando pela Europa, onde ele rodou 'Você Vai Conhecer o Homem dos seus Sonhos' (2010), 'Meia-Noite em Paris' (2011), 'Para Roma com Amor' (2012). 'Tudo Vai Dar Certo' (2009) havia sido o derradeiro nas calçadas novaiorquinas e não foi grande coisa. Se fizermos um exercício e pegarmos o período 2003-2013 do diretor, notaremos três filmes classificáveis com o 'padrão Allen': 'Match Point: Ponto Final' (2005), 'Vicky Cristina Barcelona' (2008), 'Meia-Noite em Paris' (2011). Se recuarmos mais, entre os anos de 92 e 2002 (talvez os piores na carreira dele), temos como destaques 'Poderosa Afrodite' (95) e, vá lá, 'Tiros na Broadway' (94). Antes, no espaço entre 1980-91, todos os longas-metragens tinham os seus detalhes mimosos, delicados e sinceros. Lembremos, por exemplo, de 'Zelig' (1983), 'Hannah e suas Irmãs' (86) e 'Crimes e Pecados' (1989). A primeira parte, 1966 a 1979, as fitas são 'clássicas': 'Noivo Neurótico, Noiva Nervosa' (77), 'Manhattan' (79) e 'A Última Noite de Boris Grushenko' (75).

'Blue Jasmine' é um arremedo. Mas é Woody Allen. Ele sabe como tratar bem as personagens femininas. São fortes, poderosas, igualmente frágeis, impotentes. Cate Blanchett está surpreendente.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

27 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: