Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 06/09/2017 às 16h17
‘Bingo’ e os anos 80


RODRIGO ROMERO

Quem foi criança entre 1981 e 1990, como eu fui, sabe a importância de tripudiar sobre determinado tipo de comando do chamado politicamente correto, instrumento estapafúrdio usado hoje em dia para regular o certo e o quase certo. A arte tem a obrigação de constranger essa régua melindrosa e por em telonas, telinhas, palcos e internet o vômito dessa chatice, cuja contaminação já adoeceu muita gente neste país da tartufice.

Por isso, um filme como 'Bingo: O Rei das Manhãs' (2017), nos cinemas há 10 dias, é relevante. Dirigido por Daniel Rezende, grande experiência como editor (os 2 'Tropa de Elite', 'Árvore da Vida', 'Ensaio sobre a Cegueira') e roteirizado por Luiz Bolognesi ('Bicho de Sete Cabeças', 'As Melhores Coisas do Mundo', 'Elis'), 'Bingo' é um chute no traseiro das desconcertantes verdades que temos visto por aí.

É a cinebiografia do ator Arlindo Barreto, desde o tempo em que estava com a pornochanchada até o sucesso na pele de Bozo, o palhaço criado nos EUA com os direitos comprados por Silvio Santos assim que sua TVS foi inaugurada. Vladimir Brichta é o protagonista, com Leandra Leal na cola como a produtora evangélica Lúcia.

O blocked não tem receio de apresentar ao público as facetas obscuras de Augusto (Brichta): de ator pornô a viciado em drogas e sexo, filho carente duma atriz de brilho irregular, Marta (Ana Lúcia Torre - na verdade, a estrela Márcia de Windsor, jurada nos programas do próprio Silvio Santos e Chacrinha), ex-marido de Angélica (Tainá Müller) e pai do garoto Gabriel (Cauã Martins).

Rezende, como estreante no papel de comandante, dirige a fita com a mão de ferro e extrai de Brichta o que ele tem de melhor: a agilidade. A fita é ele e ponto final. Outro ator, uma escolha errada, e a obra daria no ralo. A produção esmerada na direção de arte surpreende do começo ao fim: desde o cenário do programa infantil, inclusive créditos da abertura, ao figurino e trilha sonora.

Ali, a TVS (depois SBT) é a TVP e a Rede Globo é a TV Mundial, sob a batuta de Pedro Bial (Armando)! 'Bingo' me fez reviver a época que quase deixei cair no abismo. Fez-me agarrá-la de volta e puxá-la com força. Tudo de errado daquele período e que hoje seria inadmissível (a Gretchen numa atração para crianças, rebolando, por exemplo) era para ser assim. O mundo ficou aperreado, e sem graça. O filme é uma luz que banha o século 21 de maneira indecente. E que bom que funciona.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

27 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: