Segunda-feira, 19 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 19/01/2018 às 15h01
25 anos sem Audrey


RODRIGO ROMERO

'Paris é sempre uma boa ideia'. A frase é de Audrey Hepburn, e sua personagem Sabrina, no filme de igual título, lançado em 1954. Na época, aos 25 anos, tinha acabado de conhecer o ator Mel Ferrer, e se casaria com ele meses depois. Foram apresentados por Gregory Peck durante uma festa e ficaram juntos até 1968.

O espírito meigo e delicado da artista, que nos deixou há exato um quarto de século, devido a um câncer, e prematuramente, aos 62 anos, rendia-se fácil à inocência e ao mesmo tempo à carreira já deslanchada. A trajetória começara em 1949, numa série de TV. Quatro anos e uma dúzia de papéis depois, 'A Princesa e o Plebeu' a pôs no pedestal da elegância e beleza. Soava como aquelas professoras de moda em frente às câmeras. Os alunos eram os espectadores.

Os gestos e o tom da voz característicos de uma autêntica Dama, com 'd' maiúsculo, cativavam o mais insensível voyeur. Nesta primeira década de profissão, Audrey rodou seus melhores trabalhos. Além dos 2 já comentados, fez 'Guerra e Paz' (1956), 'Cinderela em Paris' (57), 'Uma Cruz à Beira do Abismo' (59), 'Infâmia' (1961), 'Bonequinha de Luxo' (1961), 'Charada' (1963) e 'Minha Bela Dama' (1964).

Ganhou Oscar, teve filho, virou ícone de uma geração e dedicou-se a causas humanitárias. Em 'Sabrina' seu cachê foi de 15 mil dólares. Em 'Além da Eternidade' (1989), o seu último filme, com Audrey fragilizada pelo câncer, ela embolsou 1 milhão de dólares. Em 'Minha Querida Dama' recebeu 100 mil a mais de pagamento. As quantias auxiliavam alguns de seus projetos na África, continente que visitou algumas vezes e viu de perto as mazelas do planeta.

Audrey nasceu na Bélgica e morreu na Suíça. Não me lembro quando eu a descobri - se na TV ou em DVD. Mas sei qual foi a primeira fita que vi: 'Bonequinha de Luxo'. E o impacto, claro, deu-se de imediato. Daí à frente, Audrey ficou, para mim, como se um símbolo destas belezas diferentes, porque rara e contida. Neste espaço, ela sempre teve lugar e destaque. Até mesmo o seu derradeiro trabalho, rodado três anos antes de sua partida, procurou 'explorar' o seu rosto bem caracterizado.

Audrey já estava prestes a completar 60 anos e aparentava a fragilidade que seu corpo pesava à vera. Lembrava pouco, quase zero, da estrela descoberta no início da década de 1950. Mas o brilho estava lá, anos depois. Audrey Hepburn morreu em 20 de janeiro de 1993.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

19 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: