Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 06/04/2015 às 09h30
Ora, bolas, Cinderela!


RODRIGO ROMERO

'Cinderela' talvez não sirva nem para a criancinha mais inocente assistir. A proposta da madrasta de Cate Blanchett é tão ou mais pobre do que a falta de expressão da protagonista interpretada por Lily James. Nada coaduna na trama, nem Richard Madden como o príncipe encantado. Ora, bolas... A tal Cinderela (Ella, no filme) não sofre nadica de nada. É um ponto relevante. A malvada Lady Tremaine (Cate) assusta pouco e comparar este longa que estreou na semana passada com clássico desenho da Disney de 1950 é mais do que covardia. Assim como ocorre com as adaptações de 'Branca de Neve e os Sete Anões' (1937). Hollywood adaptou história da menina que perde o sapatinho de cristal várias vezes. É só explorar o Google e você achará. 'Cinderela' de 2015 só servirá para arrecadar o dinheiro.

Agora, assopro. Helena Bonham Carter, a eterna participante dos filmes de Tim Burton, dá vida para a Fada Madrinha e não compromete. Ao contrário. Ampara a fita pelo menos nos momentos em que surge em cena. O diretor é o também ator Kenneth Branagh, o mesmo de 'Thor' (2011) e a 'Operação Sombra' (2014). Claro, não poderia dar certo. O roteiro de Chris Weitz é fraco, arranha praticamente 100% da produção e deixa a desejar no quesito criatividade... Qualquer que seja a história infantil de categoria boa deve-se tomar bastante cuidado ao adaptá-la à telona. Este esmero está longe aqui.

Trata-se de mais um blockbuster em busca de fácil audiência e aceitação, além de grana. Há sucesso desejado. As salas de cinema estão lotadas e 'Cinderela' lidera as bilheterias. É difícil. Fazer filmes de cunho infantil, como escrevi no parágrafo anterior, é tarefa das mais cruéis porque precisa amarrar o público de uma maneira, digamos, construtiva, e não 'molenga'. 'Cinderela' não cumpre sequer 20% do objetivo. E argumentar que o público de menor idade é pouco exigente é conversa superfiada, ou usada para deturpar a imagem que temos. Triste notar que cada vez mais o cinema se transforma em uma arma contra o próprio cinema. Refiro-me ao cinema de outrora, aquele que você está pensando, dos grandes mitos, dos atores e atrizes legendários, onde os diretores eram tratados como 'mágicos'.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

27 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: