Segunda-feira, 06 de Abril de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 18/08/2017 às 15h14
Chaplin no circo


RODRIGO ROMERO

Dentre os tantos filmes de Charles Chaplin, 'O Circo' (ainda não comentado neste espaço ao longo de quase 14 anos de coluna) é um dos momentos mais marcantes na carreira do cineasta, um dos nomes mais destacados do século 20, talvez o maior.

Em 'O Circo', que comemorará 90 anos de lançamento em 6 de janeiro de 2018, alguns traços já fixados na maneira com a qual ele trabalharia em suas fitas posteriores, como a negação ao romance, o antagonista galã e os traços do personagem que moldou a trajetória de Chaplin: o vagabundo- cartola, calças largas, sapatos de palhaço, além do inconfundível bigodinho central, mais tarde copiado por Adolf Hitler.

Três meses antes do longa ser exibido, outro trabalho fez Chaplin se arrepiar e se revoltar: 'O Cantor de Jazz' (1927), o primeiro filme falado da 7ª arte. O cineasta demorou bastante para tentar começar a aceitar as falas em suas películas. 'O Circo' ainda estava sem som e Carlitos reina absoluto. A trama se inicia com um batedor de carteiras (Steve Murphy) agindo na multidão. Para não ser preso, põe a carteira roubada no bolso do faminto Chaplin sem que este perceba.

O tumulto se origina quando o gatuno quer rever o produto. O vagabundo vai acidentalmente a um picadeiro do circo local. Sem querer, entra no espetáculo e faz sucesso enorme. O dono (Al Ernest Garcia) o contrata e quer se aproveitar dele, já que Chaplin não sabe da fama que tem. O protagonista tem tempo também para se apaixonar pela acrobata (Merna Kennedy), enteada do dono do circo, que a maltrata e a explora.

O filme é recheado de esquetes e quando finalmente os escritos do blocked entram na parte central, cujo cenário é o circo pobre e quase abandonado, tudo vai se desenrolar. Há sequências hilárias, como a do vagabundo na corda bamba tentando superar tudo o que o verdadeiro equilibrista faz. Quando surgem os macacos para atrapalhar a performance, rir é a única vontade.

A fita recebeu apenas em 1970, mais de quatro décadas após o lançamento, o Oscar de Trilha Sonora, composta toda ela por Chaplin. Fato semelhante ocorreu com 'Luzes da Ribalta', de 1952.  Foram necessários 20 anos para que o cineasta se apresentasse na Academia de Artes e enfim recebesse seu troféu. Antes, por conta do macarthismo, o inglês estava exilado na Suíça, impedido de entrar em terras dos Estados Unidos.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

06 ABR
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: