Quarta-feira, 21 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 18/11/2016 às 09h52
As duas conchas


RODRIGO ROMERO

Petra tinha 7 anos em 1990. Morava em Nova Iorque com a mãe e a irmã, Elena, 13 anos mais velha. No primeiro dia de dezembro daquele ano, Elena ingeriu várias aspirinas, tomou uma garrafa inteira de cachaça. No prédio, ninguém quis ajudar a socorrer a jovem. Levada ao hospital, morreu devido à forte intoxicação.

Elena era atriz e dançarina. A arte fervia em seu corpo. 'Se eu não trabalhar com a arte, prefiro morrer', disse. À flor da pele, a angústia contaminava-a. Não aguentou a pressão da vida. Em 2003, Petra, agora com a mesma idade da irmã naquele 1990, se matriculou numa escola pra ser atriz. 'Minha mãe dizia que poderia trabalhar com qualquer coisa, menos ser atriz. E que podia ir a qualquer lugar, menos a Nova Iorque', falou Petra.

Eram os traumas, as dores. E dores viram água no documentário 'Elena' (2012), dirigido por Petra e roteirizado por ela e Carolina Ziskind. Sensível, de energia vibrante e lacrimosa, o resgate das raízes do amor de uma irmã pela outra mostrado nas fitas antigas de família, além de gravações de áudio de Elena (ela não escrevia cartas - tinha vergonha de ter letra feia) revelam como se pode ter saudade e inspirar tanta poesia por meio de vídeos.

'Queriam que eu te esquecesse, Elena', diz Petra no filme. O arquivo pessoal exibe a caçula desde o nascimento, com a mais velha tendo todos os tipos de carinho possíveis com a recém-chegada. É de chorar. Elena Andrade decidiu ser artista aos 4 anos. Viajou aos EUA, fez vários testes, conheceu Coppola (cogitou-se a possibilidade de ela participar como figurante de 'O Poderoso Chefão 3', 1990).

Era intensa. Ao decidir mudar de país, deu uma concha a Petra e ficou com outra. 'Quando você sentir a minha falta, põe essa concha no ouvido e você vai me escutar'. Este elo jamais se quebrou. Aos poucos, notamos que no documentário, Petra se transforma em Elena, e ela em Li An, a mãe, e vice-versa. Esta espécie de loção feminina perfuma o magnifico trabalho de Petra.

Narrado em sentido não-linear, mistura a poesia ao silêncio. Um pouco de Manoel de Barros, senti. Assim como os aromas de 'Diário de Sintra' (2008) de Paula Gaitán. 'Elena' vale cada minuto.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

21 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: