Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 17/11/2017 às 14h40
20 anos sem Zózimo


RODRIGO ROMERO

Os jornalistas recém-formados, ou os estudantes desta carreira tão penosa e ao mesmo tempo muito valiosa, nem sabem, nem querem saber, afirmo com categoria, quem foi Zózimo Barrozo do Amaral. Neste 18 de novembro alguns poucos vão se lembrar da passagem de duas décadas exatamente sem o colunista social e jornalista de 'O Globo' e o extinto 'Jornal do Brasil'.

Há um livro na praça, por sinal muito bem escrito- a biografia de Zózimo: 'Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança'. Publicado ano passado pela editora Intrínseca, cujo autor é o também redator Joaquim Ferreira dos Santos, as páginas traçam a cidade do Rio de Janeiro dos anos 1940 aos 90 por meio das passagens homéricas vividas pela lente nada angular de Zózimo.

Os romances, os furos de reportagem, as amizades, todas as brigas e confusões, as bebedeiras, os jantares, as festas e o fulminante câncer nos pulmões que por fim o levou à morte, em 1997, aos 56 anos, estão passados a limpo por J. Santos. Zózimo veio de uma família abastada, abonada, filho de um magnata de apelido 'Boy'.

E o primeiro emprego de Zózimo, aliás, foi conseguido por meio do empurrãozinho do pai. Em 1959, entrou em 'O Globo' para colaborar com a 'Coluna do Swan', personagem inventado pela publicação a fim de noticiar fatos do mundo das socialites, onde o glamour imperava de forma acachapante. Zózimo se ambientou de imediato àquele estafe de uísques, champanhes, saladas, carnes e outros pratos refinados apresentados praticamente todos os dias à noite em restaurantes e boates fluminenses.

Nas décadas de 1960 e 1970, a explosão do colunismo social foi tamanho que Zózimo optou por aceitar a proposta do 'JB', onde o seu nome surgiria no alto da página, e com salário multiplicado. Autor de frases curtas, as famosas notinhas de informações, que conseguiam sintetizar em espaço ínfimo com humor e ironia venenosa, Zózimo foi consagrado no tempo certo.

Uma delas, acerca da confusão e da discussão sobre quem 'inventou' o 'Plano Real', em 1994, ele escreveu: 'O Real precisa urgentemente de um exame de DNA'. Além disso, costumava terminar as colunas com suas dicas simultaneamente ingênuas e sacanas: 'O problema de Brasília é o tráfego de influência, já no Rio de Janeiro o problema é a influência do tráfico. Quem não deve não treme.'

E Zózimo, assim como Carlos Castello Branco, biografado brilhantemente em 'Todo Aquele Imenso Mar de Liberdade', do também jornalista Carlos Marchi, não pode ser esquecido.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

26 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: