Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 28/10/2013 às 12h57
Tinguera e a cultura


RODRIGO ROMERO

No fim do ano passado entrevistei Edna Cassal para a TV Câmara Jacareí. Ela estava às voltas com a finalização do documentário sobre Justino Oliveira, o Tinguera, figura conhecida na cidade, de um talento arruaceiro e debochado. Edna assina esta direção junto com Humberto Capucci e Marcos Alem. 'Justino, o Ribeirinho de Jacareí' (2013) mistura animação às entrevistas e imagens de arquivo e o resultado é tocante. Lembro pouco de Tinguera. Via-o em raras vezes numa praça onde entoava o violão, ou viola, à toda. Sempre o mesmo figurino: chapéu, paletó, camisa, a muleta. Sim, finalmente é desvendado o mistério (se é que havia algum) acerca do acidente que lhe tirou a perna esquerda. Os depoimentos de amigos, parentes e admiradores contam numa linha tênue e organizada a história de um homem coberto pelo seu tempo. A fotografia do média-metragem é bem feita e a trilha sonora de Jaime Alem dedilha os minutos de 'Justino...' com os sons de mato, campo, terra, café e bolo de fubá.

A fita estreou há alguns dias e ainda está em processo de estreia em salas e escolas da cidade. Nesta terça-feira (29), estará no auditório da Secretaria de Educação, às 19h. No dia 29 de novembro, em sessão ao ar livre, às 19h30, no Pátio dos Trilhos. Já o desenho 'Tinguera, o Violeiro Errante', terá duas apresentações: na quinta-feira (31), às 19h, na Sala Mário Lago. Até dia 1º de dezembro no Pátio dos Trilhos também estará a exposição 'Seu Justino', com fotos, matérias, desenhos. Enfim, 2013, ano do 90º aniversário do violeiro e de 5 anos da morte, Jacareí comemora, celebra 'Tinguera'.

Justino era de Santa Branca, de 29 de maio de 1923. Veio trabalhar na estrada de ferro aqui em Jacareí, e com a morte da mãe ficou sozinho (aliás, um fato na vida da mãe é assustador: perdeu vários filhos e Justino foi o único sobrevivente). E influenciado pela música do pai, o menino Justino, ainda sem ser Tinguera, se apaixonou pelas cordas do violão e herdou o gosto. Então Jacareí passou a ser sua sede de shows. Nos bancos das praças, o auditório se formava para vê-lo entoar melodias de outrora, ou inventadas por ele. Seu olhar fixo no instrumento e barba branca por fazer eram marcas registradas de um personagem que se transformou em folclore municipal menos pelas suas canções e mais por xingar pedestres indiscretos que teimavam em chamá-lo por seu apelido: Tinguera. E eram os variados palavrões, pedras arremessadas, bengala jogada longe etc. Os pivetes eram os principais autores das bocas abertas. Atiçavam o âmago do músico, o qual respondia sem pensar. Justino era fã da polícia, dos 'guardas', ameaçava os seus 'inimigos': 'Eu vou chamar o delegado! Vocês vão ver só!'

Edna, Humberto e Marcos conseguiram resgatar imagens de Tinguera numa apresentação na praça Conde Frontin em 1983, outra de 1987, num programa da TV Cultura, onde Justino oferece ao apresentador, Junio Lerner (o que fez a famosa entrevista com Clarice Lispector, dez anos antes), um dos chaveirinhos em forma de viola; e 1996, na escola Professora Olívia do Amaral Santos Cannetieri, na festa da escola... Ele usava uma espécie de distintivo por baixo da lapela do paletó e se aposentou por invalidez depois de trabalhar como vigia da loja de móveis do empresário Arno Roissmann, nos anos 1970. Comia diariamente pão e água. Café e macarrão (o seu prato predileto) eram benfeitorias cedidas por vizinhos e amigos, que levavam alimentos à casa onde morava, no bairro Campo Grande. Às vezes era necessário dar-lhe banho, fazer-lhe a barba e cortar-lhe os cabelos, claro, à sua rebeldia infinita. No começo deste século rumou ao asilo Amor e Caridade, de Lúcia Fortes, viúva do vereador Egídio Coimbra. Justino 'Tinguera' morreu um mês antes de completar 85 anos, 29 de abril de 2008.

Contar história do município por meio de filme, como fez o trio de diretores, livros, como tão bem faz o ex-prefeito e ex-vereador Benedicto Sérgio Lencioni, ou nas músicas, como o casal Jaime Alem e Nair Cândia entoa aos quatro cantos do Brasil, é imprescindível. Preservar esta cultura é fazer Jacareí sobreviver na nossa memória. Viva Tinguera! E que ele não nos jogue, lá de cima, sua muleta.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

18 SET
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: