Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 25/03/2013 às 14h34
Rolos e Acasos


RODRIGO ROMERO

Dos nove indicados a melhor filme, esta coluna ainda não abordou três: 'Argo', 'A Hora Mais Escura' e 'Os Miseráveis'. À medida que as semanas passarem, o segundo e o terceiro aparecerão por aqui. Hoje 'Argo' é bola da vez. O ganhador do principal troféu da noite de 24 de fevereiro colecionou polêmicas e dúvidas por seu conteúdo e as consequências pelas indicações recebidas. Pessoas do Irã tacaram pedras, impropérios e lama no longa-metragem. Como 'Geni', 'Argo', eu notei, foi bom de se cuspir, pois exalava americanismo aos quatro ventos. A história, encampada em fatos reais, mostra o esquema de fuga de seis diplomatas dos EUA refugiados na casa de um embaixador canadense após a invasão da embaixada do Tio Sam, provocada por iranianos. Explica-se: o aiatolá Khomeini chegou ao poder em 1979 e o país está em ebulição - o antigo xá, ditador escabroso, recebeu asilo político na terra de Jimmy Carter, apoiadora de seu governo de opressão; as ruas do Irã são alvo de protestos e um deles acontece na embaixada dos EUA. Os diplomatas ficam meses escondidos, no maior sigilo, e a CIA (Central de Inteligência Americana) busca o meio para resgatá-los, sem que morram aos tiros.

Tudo começa a se arrumar com a ideia de Tony Mendez (Ben Affleck) de realizar um filme de fachada e, assim, colocar os escondidos como produtores e retirá-los do país. Mestre em exfiltrações, T. Mendez intitula a obra de 'Argo', produção de ficção científica embarcada nos sucessos de 'Guerra nas Estrelas' (1977) e 'A Batalha do Planeta dos Macacos' (1973). Lester Siegel (Alan Arkain) e John Chambers (John Goodman), respectivamente produtor e maquiador de Hollywood, o auxiliam neste processo. Óbvio, as locações de 'Argo' seriam as paisagens desérticas do Irã. Inicialmente arriscada, a operação de resgate tem ressalvas, descrenças e medos. Aos poucos, os exilados não têm mais como recusar, já que a situação deles fica insustentável. Resta a confiança, abarcada por levas de otimismo.

Affleck, além de diretor, é um dos produtores, ao lado de, por exemplo, George Clooney. Não se sabe até agora os motivos pelos quais a Academia o deixou (Affleck) de fora da lista dos indicados a diretor. 'Argo' é bem dirigido, tem suas limitações, porém segue a trilha regularmente. Chegar a ser 'Amor' (2012) é impossível, todavia o papel é bem feito pelo cineasta de 'Gênio Indomável' (1997) e 'Atração Perigosa' (2010). Este último fica atrás de 'Argo' em qualidade e interpretação, aliás. Causou estranheza, para não dizer indignação, a ausência de Affleck entre os indicados para melhor diretor, repito. Não que ele fosse o melhor, mas soaria normal pela sua porção de bom moço. Do cast destaco Arkain- concorrente dos coadjuvantes- além do próprio Affleck, também limado do quinteto de ator no Oscar 2013 (os indicados foram Denzel Washington, Daniel Day Lewis, Hugh Jackman, Joaquin Phoenix, Bradley Cooper -o poria no lugar de Jackman). Dos demais, nada de mais. Foi tudo médio.

Desde 1989, com 'Conduzindo Miss Daisy', o ganhador do Oscar de filme não tinha o diretor indicado. 'Argo' saiu da cerimônia com três troféus - filme, roteiro adaptado e edição. 'As Aventuras de Pi', realização pior do que 'Argo', ficou com quatro, dentre elas a de diretor para Ang Lee. Apesar de ter 'americanizado' o desfecho da película, o blocked de 'Argo' soa mais como inocente a esperto. No enrolo entre os rolos do filme e os acasos posteriores, para dar impressão de coisa rodada na década de 1970, Affleck filmou com material comum, aumentou em 200% as imagens para aumentar os seus grãos e cortou quadros pela metade. Agudez de profissional. E ele deve ter realmente um belo futuro.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

27 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: