Quarta-feira, 21 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 30/09/2013 às 18h15
Risos rasos e ralos


RODRIGO ROMERO

O cinema é engraçado. Em determinadas áreas não existem ciclos, fases e melindres. Sandra Bullock exemplifica um destes ramos. 'As Bem Armadas' (2013) estreou sexta-feira no Brasil e trouxe um alto lucro com ele... Os milhões de dólares obtidos com os ingressos nos EUA tendem a se repetir por aqui. Mas não se enganem, por favor. A comédia, protagonizada por Sandra e Melissa McCarthy (de 'Missão Madrinha de Casamento', 2011) é fraca em seu todo e completamente desprovida de ir ao ponto máximo da comicidade, ou seja, os risos são rasos. O conjunto da obra tem duas policiais que se odeiam (Ashburn - Sandra Bullock, e Mullins -Melissa McCarthy), porém têm de trabalhar juntas para capturar o líder do tráfico de drogas de Boston. Ashburn aceita porque quer a promoção que seu chefe, Hale (Damian Bishir, 'Uma Vida Melhor' -2011), prometeu. Mullins se submete a contragosto. Mal educada, ciumenta e possessiva, esbraveja se qualquer um tentar sequer meter o bedelho em sua função. E é exatamente este choque de gênios o motor a roncar na trama, roteirizada pela estreante Katie Dippold. Em Boston, as duas agentes são auxiliadas por Levy (Marlon Wayans, 'As Branquelas' -2004). Enquanto uma usa terninhos bem ajeitados (Ashburn) a outra é só a roupa larga e bem suja.

Fazia meses que não ia ao cinema. Para quem ama a sétima arte isto é sacrilégio, mas se nós analisássemos a situação, a razão penderia ao meu lado. A rede de cinema distribuidora de filmes em Jacareí e São José dos Campos possui 23 salas e em todas as qualidades dos longas deixam bastante a desejar. Só aceitei ver 'As Bem Armadas' porque tenho determinada admiração por Sandra. Sabia e esperava o que veio. Ainda assim saí decepcionado da sala. Temo que a eterna 'Miss Simpatia' (2000, 2005) perca o brilho que a atinge desde o início das empreitadas pra rir. Seus papéis nestas películas a pintam como desajeitada, recatada e de fala mansa. Assim foi em 'A Proposta' (2009), produção de qualidade melhor a 'As Bem Armadas'. A culpa na maioria das vezes é dos roteiristas e neste ano não foi diferente. Ao arriscar um enredo sério, com pitadinhas de humor, como em 'Um Sonho Possível' (2009), Sandra Bullock conseguiu o Oscar de melhor atriz, e merecidamente. No denso 'Tão Forte e Tão Perto' (2011), a atriz encaixou força à carreira e hoje sabemos de sua verdadeira capacidade. Em 2014 ela, pasmem, chegará aos 50. E a futura cinquentona pode se gabar de manter a invejável forma física e, vejam, contracenar com Ryan Reynolds, 12 anos mais velho, sem transparecer ('A Proposta').

Dirigido por Paul Feig ('Missão Madrinha de Casamento'), 'As Bem Armadas' exagera no erro de querer a todo custo agradar. Às vezes más intenções são necessárias. Não é o que ocorre com este longa. Desde primeiros minutos (são 117) nota-se o afamado 'água-com-açúcar' a se dilacerar na tela. Feig incorporou o termo 'comédia' e o jogou ao seu pior sentido. Para debaixo do tapete foram o seu escrúpulo e a vergonha. McCarthy se comporta como em seu primeiro filme de sucesso. Tem carisma e ousadia. O perigo é o mesmo que citei sobre Sandra: perder a graça se seguir a linha de realização. Chegará a hora na qual o público se cansa e aí o abismo vem. Aconteceu com Jim Carrey (eu até hoje não sei quem o viu e disse a ele que era um bom ator), Eddie Murphy (idem) e Rowan Atkinson (só o Mr. Bean, nada mais). Por se tratar de blocked pra mulheres, neste caso de TPM avançada, pode-se ter dificuldade em os homens assimilarem bem esta teoria de 'As Bem Armadas'. Se o 'machismo' de fato for superado, vale a pena tentar acompanhar a história. Sairá frustrado, mas fará a parceira / esposa / namorada feliz. E se a comemoração vingar, conforme-se: 'As Bem Armadas' terá continuação mais para frente. Repito: Sandra Bullock se atira no buraco do mar sem fim. Não precisa mais de dinheiro.

Há os momentos em que sinceramente me pergunto quem é o mais bobo: eu que assisto ou o cinema que oferece estes ralos a céu aberto. Ou refazer a pergunta: quem é o mais prejudicado com a programação? Esta resposta é óbvia: o espectador, pobre-coitado, vítima da censura dos bons filmes.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

21 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: