Domingo, 25 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 12/01/2015 às 15h28
O épico de hoje


RODRIGO ROMERO

Quais são os ingredientes necessários para se esqueletar um épico? Ponha no caldeirão um bom diretor, longa duração, batalhas campais, efeitos especiais a esmo e milhares de figurantes, os chamados 'extras'. Tudo isto junto, mistura-se a um roteiro pré-conhecido, às vezes pouco engenhoso e interpretações corriqueiras. O resultado pode ser sagas memoráveis como 'Ben-Hur' (1959) ou 'Os Dez Mandamentos' (1956), até 'Gladiador' (2000) ou dar receita furada, que faltou pouco pra o gosto ficar no ponto, como 'Noé' e o recém-lançado 'Êxodo: Deuses e Reis' (ambos de 2014). Notem: quero dizer que os dois últimos não são completos desastres, mas há vezes em que o espectador quer mais.

'Êxodo' é dirigido por Ridley Scott, o mesmo do 'Gladiador' citado antes, e conta a história de Moisés, o pastor de ovelhas príncipe do antigo Egito que descobre ter raízes hebraicas. Christian Bale (da nova trilogia 'Batman') está na pele do protagonista e por não ter tido que se submeter aos testes físicos de outros trabalhos (engordou para fazer 'Trapaça' - 2013 e emagreceu antes a 'O Vencedor' - 2010), quando foi bem, desgasta a sua imagem de 'new galã' numa fita sinceramente descartável. Nas duas horas e meia, o que vemos são sucessões de lutas de espadas que soam como falcatruas pesadas e cenas onde eu pensava ver uma coisa e acabei vendo outra. E a abertura do mar é a principal delas.

O antagonista é Ramsés (Joel Edgerton), o faraó egípcio que assume quando o pai Seti (John Turturro) morre. No longa estão as pragas do Egito, os conselhos de Deus (o menino Isaac Andrews) a Moisés e o mar vermelho. A feitura do exército judeu, a amizade de Nun (Ben Kingsley, de 'Gandhi' - 1982), que lhe desvenda o segredo de sua família, e, finalmente, a abertura das águas. Para quem assistiu a 'Os Dez Mandamentos' sabe como o diretor Cecil B. DeMille se esforçou junto com a sua equipe a elaborar a cena. Toda a beleza da fita dos anos 50 é aniquilada com a 'proeza' de R. Scott em escoar a água como que para o esgoto. Depois, claro, o computador toma conta para a onda gigante.

Nesses épicos do século 21, cada vez mais os diretores têm menos importância. Aliás, atores têm menos importância. E, no caso do 3D, e 'Êxodo' pode ser visto na versão em terceira dimensão, os ingredientes são meros coadjuvantes. Em 3D a fita não tem quaisquer surpresas. É uma pena que as pessoas insistam em querer espremer cada vez mais a laranja. Não há lado a apertar porque tudo já foi usado, o caldo nem pingando está. Quando as produtoras apostam no filão como o de 'Êxodo' e 'Noé' querem atingir o público adolescente, principalmente. E as redes de cinema, claro, colocam-no nas programações. Atrai gente, mas cadê a responsabilidade de formar o novo público crítico, tenaz?

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

25 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: