Domingo, 25 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 29/07/2013 às 11h16
Homera


RODRIGO ROMERO

Gravetinho não gosta de espiar a dona em sua hora de trabalho. Vai por aí, solto, livre. Quer a vida. Aliás, a dona também. Na Europa aos dez anos de idade, viveu como aldeã. Saía pelos campos e engolia a liberdade em goles profundos. Numa mão, um pedaço de pão. Noutra, uma faquinha com a qual a menina cortava os obstáculos com a vontade de quem ganhou como prêmio a vida. Observou o comportamento dos moradores e o tratamento entre eles. Imaginou. Essa mania de fabular, percebe-se, tornou-se vício. Nélida, por instantes, vai ao século 12. É o período de força dos marianos, onde o nobre é a exaltação à mãe de Cristo. Então a sonhadora volta e está em meio aos pais e ao avô. Daniel é o nome do homem. Anagrama de Nélida. E ela fica sem palavras com a revelação. É difícil deixá-la sem palavras porque a garota quer isso para a eternidade. Ser escritora é o futuro. Ele se concretiza e o cão Gravetinho está ao lado dela, imortal da Academia Brasileira de Letras. Não ama vê-la criando.

Há dois documentários sobre Nélida Piñon: 'Sensibilidade Feita Palavra', feito à TV Senado, e 'Mapa dos Afetos'. Sobre o segundo não comento, pois não o vi. O primeiro foi produzido, sobretudo, com depoimentos de membros da Academia e doutores em Letras. Estava no Youtube até a semana passada, mas foi retirado dias atrás. Nele, imortais do porte de Lêdo Ivo e Carlos Heitor Cony falam da moça obstinada e corajosa que se transformou na principal autora brasileira, referência em países como França e Espanha e a primeira presidente a ABL (1996-1997, no centenário da instituição). De sorriso cativante e olhos mínimos, esconde-se na escritora um ar medieval. Cada frase soa-nos como lições. Se pudéssemos captá-las simultaneamente teríamos um livro a cada depoimento, entrevista. A beleza de sua figura está no modo como nos cativa. Nélida tem carisma. Fato. Transmite-nos sempre a certeza de que cada vida é a peripécia diária. É a aprendiz de Homero. Poderia ser a nossa Homera.

A imortal estreou na literatura em 1961 com 'Guia Mapa de Gabriel Arcanjo'. Dali em diante mais 20 obras pulariam de sua mente recheada de mistérios. O mais recente, 'O Livro das Horas', do ano passado, trata das memórias. O baú estava abarrotado e coube à autora colher os frutos, separar os pensamentos e pô-los no papel. Recordou-se de Clarice Lispector e também dos pais Lino e Olívia, espanhóis da Galícia. Em 'Sensibilidade Feita Palavra', Nélida declara: 'Minha mãe me chamou certo dia e disse: 'Você é muito inteligente, mas não fala bem.' Aquilo me atingiu feito um soco.' Assim, tal e qual aos provocados, a escritora se mexeu. Aprimorou-se. Não à toa, definiu-se como 'discurseira'. A modéstia, ela pode muito bem disfarçá-la de ousadia. Nélida é formada em jornalismo e trabalhou em publicações. Experimentou sua eleição à Academia em 1989, após a morte de Aurélio Buarque de Holanda. Tomou posse, conduzida por Lêdo Ivo, no dia em que completou 53 anos, 3 de maio de 90.

Descobri Nélida recentemente. Um ano. Dois, no máximo. Não sabia de seus prêmios Jabuti e outras congratulações. Assim como Paulo Bomfim, o Príncipe dos Poetas, que somente na semana passada tive o primeiro contato. São as entrevistas que me chamam a conhecê-los. Uma vez que vi a autora de 'A República dos Sonhos' (1984) não teve mais volta. E esta amarra veio forte e será difícil, senão impossível, desatá-la. Em uma conversa com a jornalista Leda Nagle, Nélida explicou o modo de trabalho: pode escrever, sem parar, por oito, dez horas seguidas. As ideias chegam, batem à porta e a arrombam. Isto faz com que aquela menina campesina, Homera dos nossos tempos, despeje nos papéis, na tela do computador, as suas confissões e verdades. Criadora de riscos, mãe dos vocábulos, Nélida é completa, complexa. Entendê-la é desmistificá-la. Dividiu almoços e jantares com Lispector e Vargas Llosa. Está no rol das grandes personalidades. Longe, muito longe da efemeridade, o rótulo de imortal lhe caiu como luva. Devemos para ela. Nélida não nos cobra. Pelo contrário. Oferece mais.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

25 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: