[[date:%A, %d %B %Y]]

Ankito, 1OO

Ankito, 1OO

Hoje quase ninguém se lembra dele, lástima memória que corrói nossa história como ácido, principalmente de nós, brasileiros.  

Anchizes Pinto, o comediante Ankito, faria 100 anos neste 26 de fevereiro. Hoje quase ninguém se lembra dele, lástima memória que corrói nossa história como ácido, principalmente de nós, brasileiros, viciados em esquecer nossos ídolos ainda em vida. Alguns podem, erradamente, associá-lo à disputa com Grande Otelo e Oscarito, feras da chanchada das décadas de 1940-50-60. Ankito era 10 anos mais moço. Estrelava roteiros rodados por outras produtoras e não competia, acrescentava.

De família circense (os pais e um tio eram do picadeiro), deu os primeiros passos naquele ambiente, onde estreou aos 4 anos. Fez de tudo ali, desde acrobacias ousadas, até globo da morte. Aos 17, após conquistar 5 campeonatos sulamericanos de acrobacia, veio trabalhar no Cassino da Urca, no Rio de Janeiro. Fez teatro de revista.

Aliás, a agilidade corporal nas performances o ajudou a entrar na Sétima Arte, pelas mãos do diretor Watson Macedo, no divertido 'É Fogo na Roupa' (1952). O convite era para somente 3 dias de filmagem, mas Ankito agradou tanto que ficou 39 e liderou a trama. Porém, os movimentos rápidos o traíram. Durante as filmagens de 'Um Candango na Belacap' (1960), de Roberto Farias, caiu de um prédio em construção e ficou bem machucado. 'Os Três Cangaceiros' (1961), com Otelo e Ronald Golias, tornou-se o seu derradeiro trabalho como protagonista, mas não o último no cinema, onde filmou 32 longas.

No teatro, atuou pouco. Na TV, nos anos 90 e 2000, além de participações pequenas em novelas, esteve em programas de comédia barata, que destoavam de seu talento de outrora, como 'Zorra Total', da TV Globo. Antes, nos 60, chegou a ter duas atrações que levavam seu nome: 'Anki... Tô... Eu' e 'Show do Ankito'. Nada que recordasse os tempos áureos das películas. Inspirou artistas que também usaram a facilidade da estrutura física na carreira, como Walter Stuart, Renato Aragão. Morreu em 30/3/2009, aos 85 anos. Morava numa chácara com a esposa Denise. 

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Segunda, 15 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://diariodejacarei.com.br/

No Internet Connection