Domingo, 21 Julho 2024

Paralisia cerebral: Brasil registra ao menos 30 mil novos casos por ano

Geralinfância

Paralisia cerebral: Brasil registra ao menos 30 mil novos casos por ano

Atendimento multidisciplinar é essencial para promover a qualidade de vida desses pacientes.  

No mundo, de acordo com a organização World Cerebral Palsy Day, mais de 17 milhões de pessoas vivem com a paralisia cerebral. Foto- Marieli Prestes/Hospital Pequeno Príncipe

A paralisia cerebral é a deficiência mais comum na infância. No mundo, mais de 17 milhões de pessoas vivem com a condição e, de acordo com a organização World Cerebral Palsy Day, só no Brasil são pelo menos 30 mil novos casos por ano.

O Pequeno Príncipe, localizado em Curitiba (PR), maior e mais completo hospital exclusivamente pediátrico do país, conscientiza sobre essa deficiência permanente e reforça a importância da atuação de uma equipe multidisciplinar para um tratamento adequado da doença.

"A paralisia cerebral é decorrente de uma lesão de um cérebro que está em desenvolvimento e que pode acontecer desde o início da gestação por conta de traumas, malformações ou até mesmo durante o parto por alguma intercorrência. Nos primeiros anos de vida a paralisia pode acontecer por infecções como a meningite ou por traumas", explica neurologista pediátrica Elisabete Coelho Auersvald, do Hospital.

Por ser uma condição permanente e sem cura, o diagnóstico rápido e a intervenção precoce constituem o principal tratamento da criança com paralisia cerebral. Esses fatores são determinantes para garantir um melhor desenvolvimento psicomotor e uma consequente melhora da qualidade de vida já durante a primeira infância.

Cuidados multidisciplinares com neurologistas, ortopedistas, fonoaudiólogos e psicopedagogos são essenciais para promover uma vida melhor a crianças com PC. 

"Sabemos que a paralisia cerebral é uma condição persistente, não progressiva. No entanto, as habilidades da criança só vão progredindo à medida que novos processos são instigados. Desta forma, os profissionais de saúde devem sempre guiar ações visando a atender às metas funcionais das crianças", diz a neurologista.

A especialista destaca ainda que pacientes com paralisia cerebral podem ter independência e uma ótima qualidade de vida. "A paralisia não tem cura, mas as pessoas podem ter uma vida muito produtiva e satisfatória, contanto que tenham o apoio e as adaptações adequadas", finaliza.

Entenda as classificações da paralisia cerebral

O comprometimento dos sistemas neuromuscular, musculoesquelético e sensorial é característico da PC. Conforme a disfunção motora atribuída a cada paciente com esse diagnóstico e o local da lesão cerebral, é possível classificar a paralisia cerebral. A doença é dividida em três principais tipos: espástica, discinética/hipotônica e atáxica.

Na paralisia cerebral espástica, que representa de 70% a 80% dos casos, os músculos são rígidos e fracos, podendo afetar o movimento de braços e pernas. Problemas de visão, como estrabismo, e a marcha em tesoura, quando a criança se desloca com uma perna à frente da outra, também são possíveis nesse quadro.

Com a paralisia discinética ou hipotônica, o movimento involuntário é algo característico. Já a atáxica afeta o equilíbrio e a coordenação, junto de um tremor nos movimentos.

SERVIÇO
Sobre o Hospital Pequeno Príncipe
Com sede em Curitiba (PR), o Hospital Pequeno Príncipe é uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, que oferece assistência hospitalar há mais de 100 anos para crianças e adolescentes de todo o país. Disponibiliza desde consultas até tratamentos complexos, como cirurgias cardíacas, ortopédicas e hemodiálise. Atende em 35 especialidades, com equipes multiprofissionais, e realiza 60% dos atendimentos via Sistema Único de Saúde (SUS). Conta com 361 leitos, 68 de UTI, e em 2022, realizou cerca de 250 mil atendimentos, 275 transplantes e 18 mil cirurgias que beneficiaram pacientes do Brasil inteiro. 

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Domingo, 21 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://diariodejacarei.com.br/

No Internet Connection