Sábado, 19 de Agosto de 2017 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 21/04/2017 às 11h18
Cinza e forte


RODRIGO ROMERO

Casey Affleck, irmão de Ben, levou o Oscar de melhor ator neste ano por um filme denso deste o seu primeiro minuto. ‘Manchester à Beira Mar’ (2016) passou em branco pelos cinemas do Vale e aborda um tema difícil aos sets: a perda e o silêncio. E para levar na bandeja assunto deste naipe, o diretor e roteirista precisam ser eficazes.

Kenneth Lonergan, o diretor e roteirista da fita, escreveu o blocked de ‘Gangues de Nova Iorque’ (2002). Dica boa. Mas não basta. Na história onde desconsolo e cisma são peças fundamentais na engrenagem, o elenco tem de afiado, calibrado, polido. Por sorte, ocorre isto e mais um pouco. Casey é Lee. É zelador numa cidadezinha pacata, como ele. Lee é ensimesmado.

Não por acaso, tenta pouco esconder a depressão. Num dia, recebe a notícia da morte de seu irmão mais velho, Joe. O evento o faz retornar à terra natal, Manchester, donde ‘fugiu’ após um feio baque. Isto é só o começo, já que Joe deixa ‘de herança’ a Lee o filho Patrick – o típico adolescente, com a banda e namoradas. Patrick é cheio de vida e planos, antípoda do tio sombrio.

Nesta parceria forçada, estes traumas de Lee são passados a limpo. Ele é quieto, monossilábico. Mas explosivo. Seu pavio quase é inexistente. Lonergan enxergou além do lugar-comum e entregou ao público a obra sutil e sóbria. Em ‘Manchester à Beira Mar’, mesmo com a fotografia esplêndida, a sensação passada é a de que tudo ali é cinza, num tom pastel sem graça, porém bem forte.

A relação que o cineasta nos propõe é: perdoar ou acatar, duelar ou engolir, responder ou se controlar? As questões se avolumam com o passar dos minutos e Casey e os demais atores – Lucas Hedges (Patrick, indicado a coadjuvante no Oscar), Kyle Chandler (Joe) e principalmente Michelle Williams (Randi, ex-esposa de Lee – ela também esteve no Oscar, indicada a coadjuvante) – dominam as cenas de forma avassaladora.

Destaquei Michelle, pois é impressionante como esta moça faz bem tudo. Possui talento a dar e vender e foi finalista do Oscar com o seu papel sendo rapidíssimo – ela aparece parcos minutos –, mas repleta de intensidade. Ter dado a estatueta a Casey se mostrou justo, ainda que os demais companheiros de chapa fossem tão bons ou até melhores. ‘Manchester à Beira Mar’ é o retrato 3x4 de uma sociedade doente e estúpida.

Publicidade
Compartilhe

Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

19 AGO
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
08/04/2017
A Prefeitura voltou a permitir o estacionamento rotativo pago, das 9h às 16h, na rua Barão de Jacareí. Vc concorda com a medida?
  • 46.1%
  • 40.7%
  • 7%
  • 6.2%
06/02/2017
Qual a sua opinião sobre a qualidade do serviços prestados pelo SAAE em Jacareí?
  • 34.1%
  • 31.9%
  • 24.1%
  • 9.9%
Logos e Certificações: