Publicidade
Terça-feira, 22 de Outubro de 2019 | você está em »principal»Notícias»Cidade
Publicado em 11/09/2019 às 19h07
Vereadores rejeitam alteração do Brasão de Armas de Jacareí
A Redação / Assessoria de Imprensa
Divulgação/CMJ
Divulgação/CMJ
Brasão de Armas de Jacareí: à esquerda, a proposta do prefeito e, à direita, a da vereadora Lucimar; ambas rejeitadas pelos vereadores

A Câmara Municipal rejeitou, nesta quarta-feira (11), o projeto substitutivo, de autoria da vereadora Lucimar Ponciano, e o original, do prefeito Izaias Santana, ambos do PSDB, sobre a alteração na Carta Cívica Municipal que dispõe sobre os símbolos da cidade, como o Brasão de Armas.

A maioria dos vereadores ressaltou que a questão orçamentária deve ser analisada anteriormente a qualquer votação, como os recursos que seriam gastos na mudança de todos os símbolos do Município de Jacareí.

Outro fator que determinou o arquivamento do projeto foi, de acordo com a maioria da Casa, uma maior discussão com a população sobre os motivos da alteração, além da falta de consenso sobre os fatores históricos presentes nos brasões.

HISTÓRIA
A ideia de um novo símbolo teve início em 2017, quando o ex-prefeito e historiador Benedicto Sérgio Lencioni (BSL) e o heraldista Antônio Santoleri procuraram o Legislativo Municipal para corrigir equívocos verificados no Brasão de Armas. A proposta foi aceita pela então presidente da Casa, vereadora Lucimar Ponciano, que à época constituiu a denominada ‘Comissão de Estudos para Revisão do Brasão de Armas de Jacareí’, composta pelo Poder Executivo (Gabinete do Prefeito, Fundação Cultural e Secretaria de Educação), promotor de Justiça, presidente da Sociedade Brasileira de Heráldica e Humanística, heraldistas da cidade, historiadores, Academia Jacarehyense de Letras, Conselho Municipal de Política Cultural, promotora da Preservação do Patrimônio Histórico do Legislativo, escritores e professores universitários.

Durante este tempo, foram realizadas três audiências públicas para discussão do tema, além de reuniões mensais e encontros na capital paulista com membros da Sociedade Brasileira de Heráldica e Humanística.

O debate gerou nove modelos de Brasão de Armas, sendo que quatro foram eleitos para apresentar à população. Entretanto, após discordâncias em relação a fatores históricos, outros dois modelos foram desenhados e apresentados como projetos de lei.

De acordo com os projetos, os principais equívocos no atual Brasão de Armas são: a coroa, que, por possuir cinco torres, representa um vilarejo e não uma cidade, que necessita de oito torres, além de, equivocadamente, não estar ocupando de uma extremidade à outra do escudo; os elementos humanos que estão pisando no listel; a lua crescente que deveria estar na parte interna do escudo e com as pontas voltadas para cima, representando a padroeira da cidade Nossa Senhora da Conceição; o leão de prata que corresponde à família dos Afonsos, que, de acordo com estudos, não foi o fundador da cidade; e a torre de ouro que equivocadamente está inserida sobre a cor de prata (fundo branco), não sendo permitido pela ciência heráldica.

Além das questões técnicas, diversos pontos históricos foram tratados nos debates, como a figura de Bartolomeu Fernandes, protagonista na “Revolta do Sal de 1710”, que está presente no centro inferior do Brasão, na porta da torre dourada.

De acordo com o projeto do prefeito, que se posiciona pela exclusão de Bartolomeu do Brasão, “com o apoio em estudos de historiadores e documentos do Arquivo do Estado, pode-se afirmar que Bartolomeu se assemelha ao de um potentado local com características facínoras”.

Em contraponto, o ex-prefeito e historiador BSL, em audiência pública na Câmara em setembro de 2018, afirmou que se deve analisar os fatos de acordo como ocorreram naquele momento.

O projeto do prefeito Izaias preservou a maior parte dos elementos do Brasão atual, corrigindo as questões técnicas e inserindo a engrenagem dourada, que representa a força econômica da cidade, e o rio Paraíba do Sul com a figura do jacaré no centro inferior.

Já no substitutivo da vereadora Lucimar os elementos humanos foram retirados, acrescentando um livro em referência à cultura jacareiense, a engrenagem, e os ramos de café.

 
Publicidade
Relacionadas
Comentários (4)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

Adriano Noronha   1 mês atrás
Da prefeitura, vamos resgatar nossa história nossa cidade, fora Izaías e todos os seus apoiadores
Adriano Noronha   1 mês atrás
Esse PSDB esse prefeito Izaías não cansa além de estar destruindo a cidade quer mudar o Brasão , tinha que abrir uma CPI um impeachment contra ele e a senhora Lucimar, enquanto a cidade pede socorro, vcs querer mudar a história, só por Deus chega logo as eleições, vamos varrer todos do PSDB da
Sebastiao Soares   1 mês atrás
Pra que mexer na historia de Jacareí,o prefeito não tem nada melhor pra fazer?.Parabéns aos vereadores que foram contra esta babaquice.
Daniel Rosa   1 mês atrás
Que tal nao destacar nenhuma fe religiosa ou entao destacar todas,melhor ainda ate agora convivemos com este brasao deixa ele mesmo e vamos cuidar de coisas que realmente sao prioridades.Segundo BSL ja comemoramos o niver em data errada e quem leva credito nao fundou a cidade.af
22 OUT
Publicidade
Notícias

Blogs
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: