Publicidade
Quinta-feira, 22 de Abril de 2021 | você está em »principal»Notícias»Geral
Publicado em 06/03/2021 às 10h17
Câncer de fígado demanda diagnóstico precoce, afirma oncologista da Unifesp
A Redação / Assessoria de Imprensa
Ilustração
Ilustração
O câncer de fígado é um tumor muito agressivo e que pode levar à morte rapidamente

O câncer de fígado é um tumor muito agressivo e que pode levar à morte rapidamente. A enfermidade ocupa a terceira posição entre as que mais matam no mundo. O hepatocarcinoma ou carcinoma hepatocelular é o tumor mais comum desse órgão e ocorre em mais de 80% dos casos.

O oncologista Ramon Andrade de Mello, professor da disciplina de oncologia clínica da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), da Uninove e da Faculdade de Medicina da Universidade do Algarve (Portugal), ressalta a importância de medidas preventivas. "Tabagismo e álcool lideram a lista do que as pessoas devem eliminar na vida, mas é preciso incluir ainda cuidados com os vírus das hepatites B e C, nunca usar anabolizantes e manter o peso corporal", reforça.

O pesquisador alerta para a aflatoxina, uma substância produzida por dois tipos de fungos encontrados em grãos e alguns vegetais como amendoim, milho e mandioca sem armazenamento adequado, que podem provocar a doença.

SINTOMAS E TRATAMENTO
Segundo ele, no início, o câncer de fígado pode não apresentar sintomas. "Com a evolução do tumor, o paciente pode sentir dor do lado direito, ficar com pele e olhos amarelados, também conhecida como icterícia, falta de apetite, perda de peso e cansaço. Em alguns casos, o enfermo pode apresentar fezes esbranquiçadas, náuseas, vômitos, palidez e febre", explica.

Ramon de Mello esclarece que o tratamento desse tumor vem evoluindo ao longo das últimas décadas com a incorporação de procedimentos como imunoterapia, entre outros. "A definição do melhor tratamento varia de um paciente para outro e do estágio da doença. Inclusive, uma opção é o transplante".

Maior glândula do corpo humano, o fígado tem muitas funções como produzir proteínas e a enzima para a digestão de gorduras - a bile -, armazenar glicose, filtrar micro-organismos transmissores de infecções, entre muitas outras. "Ele tem ainda uma grande capacidade de regeneração. Uma pessoa saudável pode, inclusive, doar até 30% do seu fígado para um paciente e o órgão vai se recompor completamente em pouco tempo", explica o pesquisador da Unifesp.

SERVIÇO
Sobre Ramon Andrade de Mello
Oncologista clínico e professor adjunto de Cancerologia Clínica da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Ramon Andrade de Mello tem pós-doutorado em Pesquisa Clínica no Câncer de Pulmão no Royal Marsden NHS Foundation Trust (Inglaterra) e doutorado (PhD) em Oncologia Molecular pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (Portugal).

O médico tem título de especialista em Oncologia Clínica, Ministério da Saúde de Portugal e Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO). 

O oncologista é do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein e Hospital 9 de Julho, em São Paulo, SP, e do Centro de Diagnóstico da Unimed (CDU), em Bauru (SP).

Relacionadas
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

22 ABR
Publicidade
Publicidade
Notícias
facebook
Blogs
Publicidade
Publicidade
14/01/2021
Santos e Palmeiras disputam a final da Taça Libertadores no dia 30 de janeiro, às 17h, no Maracanã. Na sua opinião, qual dos dois será o campeão?

Nenhuma enquete encontrada!

Logos e Certificações: