Sexta-feira, 04 de Dezembro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Justiça Diária
Publicado em 09/09/2019 às 16h53
Uso de algemas


LAIS DE CASTRO CARVALHO

O Poder Executivo Federal, no uso de suas prerrogativas, promoveu 39 vetos ao texto sobre o abuso de autoridade aprovado pelo Congresso Nacional. Agora, caberá ao legislativo federal, representante do povo, a manutenção ou a derrubada dos vetos. 

Induvidoso que o governo federal na pessoa do mandatário máximo da República, desde a campanha eleitoral, por palavras, gestos e expressões, demonstra apoio incondicional às forças de segurança nacional, constituídas pela Polícia Militar, Polícia Federal e a Polícia Judiciária, sem prejuízo das guardas municipais, da guarda nacional na medida de suas competências. O que causou estranhamento foram os vetos a dispositivos que atingem os brasileiros mais vulneráveis e afastados do centro de poder nacional. 

São as pessoas carentes material, social e economicamente, que são filmadas, fotografadas, sem consentimento. Que são expostas a vexame e humilhação. A ação penal incondicionada, ou seja, aquela que é iniciada pelo Ministério Público, mesmo sem o consentimento da vítima, tem como alvo essa parcela vulnerável da população. 

A proibição de prisão ilegal, captura, busca e apreensão de pessoa sem ordem de um juiz, igualmente, são prudências que protegem o desprovido. A invasão de residência sem determinação judicial, o flagrante forjado, o inquérito policial sem fundamento, a antecipação de culpa e a sua divulgação por rede social, a violação de prerrogativa do advogado e a inviolabilidade do seu escritório, do mesmo modo, vem ao encontro do mais precisados. 

Porém, o mais curioso, e, aparentemente inconstitucional, foi o veto ao artigo 17 que cuida do uso das algemas, na medida em que esta questão está sepultada pelo Excelso Supremo Tribunal Federal com a edição de uma Súmula Vinculante, isto é, de força obrigatória, que assim dispôs: "Só é lícito o uso de algemas em casos de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros, justificada a excepcionalidade por escrito, sob pena de responsabilidade disciplinar, civil e penal do agente ou da autoridade e de nulidade da prisão ou do ato processual a que se refere, sem prejuízo da responsabilidade civil do Estado". 

O Congresso Nacional, ao referir-se sobre o uso de algemas, apenas ratificou o entendimento da Corte Maior, demonstrando respeito e apreço.

Comentários (2)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

Daniel Rosa   1 ano atrás
Advocacia Carretoni, Germano Carretoni em Sao Jose dos Campos,Pessoa honrada e honesta,estava com uma causa trabalhista a 20 anos mais ou menos,quando ganhou a causa,moveu ceus e terras para encontrar os clientes e entregar os valores que cada um ganhou,em nome dele ainda acredito no ser humano.
Daniel Rosa   1 ano atrás
Sou a favor de algemas seja povao ou figurao travestido de honesto.
04 DEZ
Publicidade
Notícias
facebook
Artigos
Perfil do Blog
Justiça Diária

Laís de Castro Carvalho, advogada especialista, membro da Paulo de Tarso Advogados Associados. Contato: (12) 3951-0920


E-mail do autor: laisbccarvalho@adv.oabsp.org.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: