Segunda-feira, 16 de Dezembro de 2019 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 25/10/2019 às 14h31
Um país que não me lembro


RODRIGO ROMERO

A estrada argentina da década de 1980 pode ser resumida em 5 capítulos: o fim do regime militar após 7 anos (1983), a estreia do filme 'A História Oficial' (1985 - começou a ser rodado 2 anos antes), a sua 2ª taça da Copa do Mundo (1986, sob o maestro Diego Armando Maradona), a conquista do Oscar de Filme Estrangeiro (ainda em 86, com 'A História Oficial') e a posse de Carlos Menem (1989). Que 10 anos estes!

Por isso, escrevo hoje sobre o longa citado. O diretor Luis Puenzo estava com 38 anos quando redigiu o blocked sobre o drama de Alícia (Norma Aleandro), a quarentona professora de História que vive aparentemente feliz e tranquila com o marido Roberto (Héctor Alterio, de 'Cría Cuervos', tema deste espaço há 2 semanas) e a filha Gaby, de 5 anos (Anália Castro) na Argentina de 1984, recém-saída do governo dos militares, liderada pelo general Vidal.

Roberto tem ligações perigosas com o governo e quando Ana (Chunchuna Villafañe), a melhor amiga de Alícia, volta do exílio, as entranhas são colocadas para fora. Ana segreda à professora seus sofrimentos, torturas, enfim, os pesadelos. A partir daí a mãe de Gaby, por conta das manifestações das Mães da Praça de Maio, desconfia que a filha adotiva veio de pais assassinados pela ditadura, o que era comum: eram muitos desaparecidos no país.

A produção se preocupou em por tons de azul claro, branco (as cores da bandeira) e bege nos cenários, figurinos e à fotografia, o que dá à fita ares de serenidade escamoteada, pois a nação fingia estar em um manto pacato, mas com escombros e porões enlameados.

Inicialmente, Puenzo, temendo pela sua segurança, queria filmar em segredo, com as câmeras escondidas. Mas os militares caíram pouco antes de ele findar o roteiro. 'A História Oficial' foi feita 100% em Buenos Aires. A manifestação de mães de desaparecidos políticos que aparece na trama foi real e captada pelas lentes do cineasta.

A atriz Norma Aleandro foi exilada. Anália cantando 'Um País que não me Lembro' é qualquer coisa de maravilhoso. E nos serve como exemplo: a Argentina tem, sem dúvida, o melhor cinema da América do Sul, com os raros lampejos do Brasil, aqui e ali, que passam rápido. Duração: 112 minutos. Cotação: ótimo.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

16 DEZ
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: