Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 18/03/2013 às 16h42
Totalmente independente


RODRIGO ROMERO

Um mundo ao qual não estamos acostumados. Ou, se estamos, nos recusamos a ver, porque apreciar tal colorido é depreciativo demais. Porém, é cinema. Cinema com 'C' maiúsculo. Uma pitada de neorrealismo italiano, transportado para uma comunidade miserável dos Estados Unidos, onde lá estão Wink (Dwight Henry) e a filha Hushpuppy (Quvenzhané Wallis). Mergulhados no ostracismo da pobreza, ele tem uma doença terminal e teima em não se tratar, e ela sonha com a mãe, enquanto prepara uma sopa de bichos sem saber ao menos pegar numa colher. Este é o cenário de 'Indomável Sonhadora' (2012), filme independente muito bem realizado, bem dirigido e com atuações de se tirar o chapéu. Indicado a quatro Oscars (filme, diretor, atriz e roteiro) teve o 'azar' de contar nesta cesta com belos trabalhos amontoados ('Lincoln', 'Amor' e 'O Lado Bom da Vida'). Mas foi aplaudido bem.

'Indomável Sonhadora' pode ser comparado com 'A Feiticeira da Guerra' (2012), filme feito no Congo, com produção canadense, um dos concorrentes a melhor longa-metragem estrangeiro. É a somatória de fatores que juntam os dois. Parecem parentes próximos. Filmes-irmãos, talvez. E nesta aproximação, as realizações transformam belas histórias em emoções à flor da pele. Quvenzhané, por exemplo, é um achado. Esta garota de nome difícil tinha seis anos (seis!) quando rodou o filme. Benh Zeitlin, o diretor, arrancou dela a estrondosa maneira de atuar. Numa sequência na qual briga com o pai e esmurra o peito dele, fazendo com que Wink caia de dor, é das cenas mais chocantes e tocantes da sétima arte, em se tratando de cinemão puro, o clássico. Vittorio DeSica suspiraria se a assistisse.

Na história, além de ter de lidar com esses problemas, pai e filha enfrentam uma tempestade na comunidade em que vivem. Vem a inundação, a destruição dos lares, e é necessário fazer algo, ou a desgraça será completa. Wink tem a ideia: explodir a barragem de uma represa próxima para que a água saia das ruas. Enquanto isso, ele e Hushpuppy passam dias num barquinho. A menina aprende a caçar peixes e a pensar na sua existência. Nada é fácil para a dupla e alguns amigos a ajuda. São os vizinhos igualmente pobres, com as casas caindo aos pedaços. É o embate entre almas, todas unidas.

Li artigos acerca de 'Indomável Sonhadora' e notei pontos diferentes. O roteiro, baseado em uma peça de teatro, não delineia a época em que passa o drama. Seria o futuro, onde o aquecimento global já atingiu ápices estratosféricos? Qual é a representatividade dos javalis gigantes, naquele jogo face a face com Hushpuppy (aliás, outro momento grande do longa)? O blocked mistura ficção, fantasia Disney e realidade empedernida. São diálogos duros, francos, mastodônticos, do tamanho ou maior do que os tais javalis. 'Indomável Sonhadora' representa alternativa à sétima arte presa à tradição vil de violência, tiros, efeitos especiais e os fracos, mas de bilheteria. Aqui, o segundo plano é o primeiro.

'A Feiticeira de Guerra' é um pedacinho mais profissional, mas eu não posso menosprezar 'A Indomável Sonhadora' por este fim. Rachel Mwanza, protagonista de 'A Feiticeira de Guerra', pode ser comparada a Quvenzhané Wallis? Claro que sim, mesmo porque ambas, apesar de inexperientes, por serem jovens, são muito bem dirigidas (no caso de Rachel, o diretor é Kim Nguyen). Os elencos, de igual forma, são equilibrados, com brutalidade na interpretação. Porém, 'A Indomável Sonhadora' vence minimamente no carisma de Quvenzhané. Não fosse ela, suponho que o filme não decolaria.

Erro: Semana passada, a ficha técnica publicada neste espaço não era a de 'Amor', tema da coluna intitulada 'Força Estranha', mas sim de 'O Lado Bom da Vida'. Pedimos desculpas pelo erro.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

27 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: