Sábado, 22 de Fevereiro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 04/12/2014 às 09h23
Sem dizer adeus jamais


RODRIGO ROMERO

Roberto Gomez Bolaños era sabiamente um ator de comicidade e, maior ainda do que o seu talento de interpretar, estava o de escrever. Antes de estar em frente das câmeras, ele era roteirista e o seu legado ficará aí. Engenheiro de formação, o artista conquistou tanta fama com os escritos que os colegas o apelidaram de Chespirito, o 'pequeno Shakespeare'. O 1,60 metro nada significou perto da magia e da ternura que conseguiu levar aos fãs principalmente com o eterno personagem Chaves.

Bolaños, como Chaplin, moldou a criação pela simplicidade e por poucas palavras. Transferiu a fome para a parte engraçada da vida e fez disto seu chamariz. Todos nós tínhamos dó do Chaves, mas a cada provocação do Quico por causa de comida, dávamos risada porque brincadeira de criança a gente tolera. Adultos no papel de crianças. Poderia soar ridículo. Esta foi outra tarefa cumprida por ele, e a 'astúcia', palavra que aprendemos com Bolaños, foi determinante para o retumbante sucesso.

Chaves, Chapolin, Doutor Chapatin, Xaveco, Chompiras... Roberto Bolaños usou as criações para falar de assunto sério. Abordou a Cruz Vermelha, por exemplo. Ousou para levar à tela histórias clássicas, é claro, do modo Chespirito de ver as coisas. 'Branca de Neve e os Sete Anões', 'Cyrano de Bergerac' e 'Minha Querida Dama' foram alguns adaptados por ele. As crianças, por osmose talvez, ficaram com aquelas tramas na cachola. Chaves não era também cultura. Era, sobretudo, meiguice.

O trunfo é a admiração de Bolaños pela criança pobre. Todos os dias vemos Chaves nos sinais de trânsito, encostados nas ruas, nas reportagens dos noticiários. E com Chapolin, como ele mesmo disse, aprendemos a nos virar sem superpoderes, pois ninguém os tem. O herói colorado tinha medo de quase tudo, era covarde e enrolava até não poder mais para resolver as pendengas. A arma, uma mera marreta, biônica, diga-se, não matava, não arrancava pedaço e não machucava o ser humano.

Conseguiu juntar um grupo de atores inquestionável. Carlos Villagran, um ex-fotógrafo, era o Quico; Ruben Aguirre, um ex-administrador de empresas, era o Professor Jirafales; Edgar Vivar, um ex-médico, era senhor Barriga; lenda Ramón Valdez (seu Madruga), Florinda Meza (dona Florinda), Angelinez Fernández (Bruxa do 71), Maria Antonieta de las Nieves (Chiquinha). Ali, diferente do que ocorre nas trupes, cada um tinha seu carisma específico. Uns mais, outros menos, porém de talento.

Quando 'Chaves' estreou aqui eu tinha 2 anos. Cresci vendo os programas. Virei fã. Tinha-o como referência. Ri alto de determinadas cenas. Tive vontade de chorar com outras. As pessoas que nada entendiam, analisavam-no como brega, sem graça, simplório, desprovido de 'efeitos'... A tolice não tem chão. E como dizia o trecho da música do episódio de Acapulco, 'prometemos despedirmos / sem dizer 'adeus' jamais / pois haveremos de nos reunirmos / muitas, muitas vezes mais.' Pi pi pi pi.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

22 FEV
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Publicidade
Publicidade
Logos e Certificações: