Quinta-feira, 01 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 01/06/2015 às 10h05
Realidade na ficção


RODRIGO ROMERO

Se você perguntar a qualquer sociólogo ou antropólogo a opinião sobre o filme 'Pixote: A Lei do Mais Fraco' (1981) a resposta soaria repetitiva ou analítica demais, no bom sentido. Pode-se falar do teor e da crueza do longa de Hector Babenco e em seguida já explorar o lado cidadão jogado às traças e sem o amparo necessário, quando se abordar o destino do protagonista Fernando Ramos da Silva. Com a certeza absoluta dos sociólogos e os antropólogos, 'Pixote' se enquadra num círculo vicioso brasileiro.

Basta uma única olhada pra que guardemos as imagens, os closes, roteiro de Babenco e Jorge Durán e atores amadores espetaculares em cena. O cineasta argentino-brasileiro, aliás, espelhou-se no não menos prodigioso Neorrealismo Italiano. Silva e os demais componentes da fita têm a sua inocência arrancada num símbolo inclemente do sistema educacional brasileiro. Passa pela Fundação Estadual do Bem Estar do Menor, a extinta Febem paulista, o local desfiado a seco pelas câmeras de Babenco.

Atores como Jardel Filho, Tony Tornado, Elke Maravilha e principalmente Marília Pêra, escoltam os demais intérpretes e fazem de 'Pixote' obra-prima do cinema nacional, eleito por críticos estrangeiros um dos dez melhores filmes do mundo de 81.

Fernando Silva era semianalfabeto e tinha 13 anos quando foi escolhido para dar vida ao menino Pixote. O rapaz Fernando teve dificuldades para decorar textos de novela na TV Globo após o filme e foi dispensado. Seus irmãos o incentivaram a voltar aos crimes. Ele morreu em 87, aos 19, assassinado pela polícia durante roubo. Até hoje o desaparecimento causa discussão e controvérsia. Agora de nada serve.

Os que assistem a 'Pixote' costumam definir a trajetória de cinéfilo como 'antes e depois' de ter visto o drama. Eu o contemplei cerca de dez anos atrás, mais ou menos. Por esses dias percorri-o de novo. Impacta a cada olhada. Ser insensível aqui não cabe. Ainda preciso olhar 'Quem Matou Pixote?', de 1996, de José Joffily, sobre a estrada esburacada, mas atravessada como o raio, de Fernando Ramos da Silva. Era mais um do monte de garotos sem futuro, família, sem destemor. Fernando era Pixote?

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

01 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: