Publicidade
Quinta-feira, 22 de Abril de 2021 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 05/02/2021 às 15h13
O ceticismo dos sádicos


RODRIGO ROMERO

Suécia, meados do século 19. A trupe do mágico Albert Vogler vai a uma cidadezinha para se apresentar e 'recomeçar' a carreira. Estão fugindo da polícia norueguesa (isso só é sabido depois). Viajam num coche. No traslado, lamúrias e pequenas constatações sobre a existência e a esperteza. De repente, ouvem-se gritos.

É um ator doente, abandonado, prestes a morrer. Ao chegarem, um grupo de céticos está à espera e deseja interrogá-los com o objetivo de desmascarar o líder. Sim, esta é mais uma coluna sobre Ingmar Bergman e suas fitas ambíguas, dilacerantes. No caso, 'O Rosto' (1958). O elenco tem a patota predileta do diretor: Gunnar Björnstrand, Bengt Ekerot, Äke Fridell, Max von Sydow, e as belas atrizes-musas Bibi Andersson, Ingrid Thulin e Birgitta Pettersson.

Bergman também escreveu o roteiro e nos mostra o quão sádico o ser humano pode ser quando aspira humilhar alguém. Gunnar é Vergerus, ministro da Saúde local. É por meio dele que descobriremos se a equipe de artistas está ou não vacilando na atitude de representar. Max, na pele do chefe Vogler, está magnífico. O espectador nota que há algo de estranho em seu comportamento.

Para que barbas e cabelos falsos, pergunta um dos inquisidores. Ingrid é mr. Aman, 'parceiro' do mágico nas encenações, e também esconde um segredo. Bergman usa a metalinguagem na película. 'O Rosto' pode ser caracterizado como filme de terror, mas é mais do que isso.

Charlatanismo, religiosidade, temeridade e sagacidade estão na pauta da trama. Vogler é interrogado, testado e tentado a usar suas artimanhas a ludibriar os perguntadores. A partir daí o longa-metragem caminha. O cineasta envereda por histórias paralelas, como a das criadas medrosas e fanáticas pela 'poção do amor' dada por um dos integrantes da trupe. Porém, o jogo de Vogler continua.

Até onde vai a credibilidade do artista? O cenário lúgubre, apimentado pela excelente direção de arte, dá o tom do horror do ambiente.  É o mesmo artifício que o diretor sueco usaria 11 anos depois em 'O Rito', quando um grupo de artistas é confrontado por sua peça de teatro ser 'ousada demais'. Duração: 101 minutos. Cotação: ótimo.

Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

22 ABR
Publicidade
Publicidade
Notícias
facebook
Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
14/01/2021
Santos e Palmeiras disputam a final da Taça Libertadores no dia 30 de janeiro, às 17h, no Maracanã. Na sua opinião, qual dos dois será o campeão?

Nenhuma enquete encontrada!

Logos e Certificações: