Segunda-feira, 26 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 18/09/2020 às 14h52
Na ilha deserta: parte 2


RODRIGO ROMERO

Na semana passada escolhi alguns filmes que levaria a uma ilha deserta nestes tempos de pandemia, naquela pergunta típica dos jacus. No artigo de hoje, a minha veia kitsch prossegue e relato a vocês quais os longas-metragens brasileiros colocaria na mala rumo ao desconhecido, com o mesmo critério de antes: somente uma fita por diretor.

Sem dúvida, 'Terra em Transe' (1967), de Glauber Rocha, estaria presente, bem como 'Limite' (1931), de Mário Peixoto, 'Ganga Bruta' (1933), de Humberto Mauro, 'Maridinho de Luxo' (1938), de Luiz de Barros, e 'O Ébrio' (1946), de Gilda de Abreu. Talvez na tal ilha tivessem 2 telões enormes de cinema, com uma poltrona superconfortável, pipoca à vontade e som estéreo. E por estes telões, cada qual em seu dia específico, eu assistiria aos filmes com a regra da alternância - um dia, o estrangeiro, no outro, o brasileiro.

Prossigo o catálogo dos tupiniquins com 'Senta a Pua' (1999), de Erik de Castro, 'Central do Brasil' (1998), de Walter Salles, 'Entreatos' (2004), de João Moreira Salles e, claro, 'O Pagador de Promessas' (1962), de Anselmo Duarte. Não esqueceria, por exemplo, de 'Cala a Boca, Etelvina' (1958), de Eurípedes Ramos, 'O Homem do Sputnik' (1959), de Carlos Manga, e 'A Hora da Estrela' (1985), de Suzana Amaral.

Não tem como. A bolsa ficaria bastante pesada com tanta fita. Se fosse ver um filme por dia, ou 2 ou 3, já que nada teria para fazer naquele lugar inóspito, teria de ser reabastecido a cada 10 dias. Como? Não sei.

Mas ficar sem 'Cabra Marcado para Morrer' (1984), de Eduardo Coutinho, 'Durval Discos' (2002), de Anna Muylaert e 'Festa' (1989), de Ugo Giorgetti, seria impensável, bem como 'Pixote: A Lei do Mais Fraco' (1981), de Hector Babenco, 'Glauber: Labirinto do Brasil' (2004), de Silvio Tendler, 'O Auto da Compadecida' (2000), de Guel Arraes, 'Tieta do Agreste' (1996), de Cacá Diegues, 'Tropa de Elite' (2007), de José Padilha e, por fim, mas não menos importante, 'Caro Francis' (2009), de Nelson Hoineff,  'O Jardim das Aflições' (2017), de Josias Teófilo, e '1964: O Brasil Entre Armas e Livros' (2019), de Lucas Ferrugem e Felipe Varelim.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

26 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: