Publicidade
Domingo, 17 de Junho de 2018 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 11/05/2018 às 14h53
Entebbe, um lugar


RODRIGO ROMERO

Um bom filme ainda em cartaz por aqui é 'Sete dias em Entebbe' (2018). É uma história real, baseada no sequestro de quase 250 pessoas, resolvido por meio do resgate contraterrorista levado a cabo por Forças de Defesa de Israel no Aeroporto Internacional de Entebbe, Uganda, em julho de 1976.

Uma semana antes, um avião havia sido tomado pelos membros da Frente Popular Para a Libertação da Palestina e as Células Revolucionárias da Alemanha. Eles desviaram o voo à cidade ugandense. Esses sequestradores separaram os israelenses e os judeus dos demais passageiros e a tripulação, forçando-os a ficarem em outra sala.

O ditador africano Idi Amin 'recepcionou' todos. Pelo menos um sofreu a tortura, e 100% deles foram ameaçados de morte. O diretor de 'Sete Dias em Entebbe' é o brasileiro José Padilha ('Tropa de Elite' 1 e 2). É interessante ver um dos nossos à frente dum projeto de calibre alto. A releitura de 'Robocop' (2014) não satisfez à altura os fãs do trabalho aderente de Padilha, mas a produção de 2018 parece fazer jus à carreira do cineasta.

Ele está seguro, maneja bem o elenco todo e não perde o foco quanto à tensão absoluta e o nervosismo a flor da pele que a fita exige. Rosamund Pike (a protagonista de 'Garota Exemplar', 2014) é o rosto mais conhecido. Os demais atores vieram da Europa e EUA. O sistema didático dos trabalhos de Padilha é posto à prova aqui, e ele consegue se virar numa boa.

O espectador que sabe um pouco sobre o assunto Israel x Palestina não boia e os que nada sabem têm um esclarecimento à altura. Um ponto magnífico é a trama paralela à do sequestro. Há uma atriz que ensaia uma apresentação de balé. De forma lúdica e emocional, os movimentos são a demonstração dos ataques entre as nações, e a música é simplesmente inesquecível - forte e dura.

Personagens como Shimon Peres e Yitzhak Rabin são mostrados em meio à negociações para soltar os reféns. A missão foi originariamente chamada de 'Operação Thunderbolt'. Mais tarde, mudou de nome: 'Operação Yonatan', homenagem ao comandante do contingente militar Yonatan Netanyahu (irmão do futuro primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu), único militar de Israel morto em combate.

É considerada por muitos historiadores como a missão de resgate mais complexa e perfeita de todos os tempos. Duração: 107 minutos. Cotação: ótimo.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

17 JUN
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
08/04/2017
A Prefeitura voltou a permitir o estacionamento rotativo pago, das 9h às 16h, na rua Barão de Jacareí. Vc concorda com a medida?
  • 46.1%
  • 40.7%
  • 7%
  • 6.2%
06/02/2017
Qual a sua opinião sobre a qualidade do serviços prestados pelo SAAE em Jacareí?
  • 34.1%
  • 31.9%
  • 24.1%
  • 9.9%
Publicidade
Logos e Certificações: