Quarta-feira, 21 de Outubro de 2020 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 22/06/2015 às 13h47
Costinha: O redescobrimento


RODRIGO ROMERO

Coitados de nós, brasileiros. Tenho pena do humor verde-e-amarelo praticado hoje. Aqui vai o meu muito obrigado a canais como Viva, TBS e outros que tais. Outro agradecimento ao YouTube... Se não fosse o site, estávamos totalmente perdidos. Sem eira nem beira para dar risada. Você precisa urgentemente conhecer o Costinha.

Um homem chamado Lírio só poderia trazer ao Brasil coisa boa. Lírio Mário da Costa trouxe. Transformou o humor tupiniquim na era de ouro da risadaria. Naqueles anos, ao se ligar a TV, se não dávamos de cara com o Mestre dos Mestres Chico Anysio com seus tipos, tínhamos Walter D'Ávila, Brandão Filho, Nádia Maria, Jô Soares, Renato Corte Real, Paulo Silvino, Lúcio Mauro, Ronald Golias etc.

O caso de Costinha é singular. De família circense, viu tudo desmoronar aos 13 anos. Seu pai abandonou o lar e Lírio teve de se virar. Foi garçom de boteco, engraxate, apontador do jogo do bicho. Isto na então capital federal, Rio de Janeiro do fim da década de 1930. Faxineiro na Rádio Tamoio, teve a primeira chance na carreira que o consagraria: de comediante. Daí a fazer filmes foi um pulo.

Piadas obscenas e a famosa 'bichinha' deram-no fama. Esteve na 1ª versão radiofônica da 'Escolinha do Professor Raimundo', em 1952, programa pra o qual voltaria anos depois, em 1991, com o personagem Mazzarito (o nome era a homenagem a Mazzaropi e Oscarito). Foi o último papel da vida. Costinha morreria em setembro de 95, aos 72, de embolia pulmonar. É preciso redescobri-lo de imediato. Era supercômico. Anysio, aliás, disse: 'Costinha era naturalmente engraçado.'

Costinha era grande ator. Nas piadas que contava, o rosto caracterizado pelo imenso nariz, a boca com poucos dentes e cabelos engomados (encanecidos) davam pra história ares de perfeição. O bordão que inventou na 'Escolinha', com o microfone 'boom' (aquele em que o técnico segurava por cima), era antológico e se resumia a somente um som! Coisa de gênio mesmo. Ele atuou em todos os meios: rádio, TV e cinema. E que bom que temos como rever Costinha! Senão, como escrevi no começo, coitados de nós.

Publicidade
Comentários (1)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

Daniel Rosa   5 anos atrás
A primeira vez que fui ao cinema era com o Costinha,lembro apenas de uma frase que ele falou.( Vou fazer aqui uma coisa que mulher não pode ver ).
21 OUT
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
Publicidade
Publicidade
11/10/2019
A Prefeitura de Jacareí anunciou a implantação de corredores de ônibus na cidade. Qual a sua opinião sobre o tema?
06/04/2019
Após 100 dias de trabalho, qual a sua avaliação sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL)?
  • 38.1%
  • 19.5%
  • 14.6%
  • 13.3%
  • 12.2%
  • 2.2%
Logos e Certificações: