Quarta-feira, 23 de Agosto de 2017 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 07/04/2017 às 09h54
Western de agora


RODRIGO ROMERO

No intervalo de 45 anos, de 1972 a 2017, o ator Jeff Bridges foi indicado sete vezes ao Oscar – quatro como coadjuvante e três como principal (em 2010 ganhou seu único troféu, por ‘Coração Louco’). Em ‘A Qualquer Custo’ (2016), obra pela qual esteve como finalista de coadjuvante, o ator entrega-se pra uma história esquecida dos fãs da sétima arte: o faroeste. No caso, o western moderno, adaptado aos dias do século 21.

Bridges é Marcus Hamilton, xerife no Texas. Está prestes a se aposentar. Porém, às suas mãos caem o caso dos irmãos Howard: Tanner e Toby. Falidos, em busca da recuperação duma fazenda da família, resolvem roubar bancos a fim de levantar a grana. O primeiro (Ben Foster) é ex-presidiário, impulsivo, violento. Toby (Chris Pine) é o oposto: centrado, compreensivo. Assim se dá a construção deste longa-metragem.

A engrenagem, claro, desliza em clichês desnecessários, quer ter a lembrança de John Wayne na veia, porém consegue pouco o objetivo. É Bridges quem rouba a cena, o filme, a atenção, tudo. Dá a Marcus um sotaque preciso do caipira texano, além da ironia fina, nada delicada, com o parceiro de trabalho, o ‘índio’ Alberto (Gim Birminghan). É na dupla que estão todos os bons momentos da trama.

E a atuação de Bridges bate a volta em Gim com categoria. A tarefa se faz fácil desta forma. E o tema central pinta o que são os EUA na década de 2010: pessoas quebradas financeiramente, principalmente depois da crise de 2008, e o confronto de gerações, onde o respeito é quase nulo. Nisto os papéis de Bridges e Foster cabem. Enquanto um não tem mais a energia, mas é a sua presença firme de que precisa a delegacia, apesar de ele estar cansadíssimo, o outro jorra falsa valentia, pois por trás do semblante assassino vive uma pessoa vazia.

‘A Qualquer Custo’ tem direção do escocês David Mackenzie e roteiro de Taylor Sheridan, que estreou no cinema com ‘Sicário’ (2015) já dando um banho. As sequências de tiroteios e perseguições de carro, típicas dos westerns, também são recheadas de qualidade, malgrado o lugar-comum citado anteriormente. A fita estava na lista dos concorrentes a melhor filme. Mas fica a ressalva, ainda que tardia: Bridges tinha de ter sido indicado a ator principal, com Foster como coadjuvante.

Publicidade
Compartilhe

Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

23 AGO
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
08/04/2017
A Prefeitura voltou a permitir o estacionamento rotativo pago, das 9h às 16h, na rua Barão de Jacareí. Vc concorda com a medida?
  • 46.1%
  • 40.7%
  • 7%
  • 6.2%
06/02/2017
Qual a sua opinião sobre a qualidade do serviços prestados pelo SAAE em Jacareí?
  • 34.1%
  • 31.9%
  • 24.1%
  • 9.9%
Logos e Certificações: