Publicidade
Quarta-feira, 25 de Abril de 2018 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 08/12/2017 às 14h45
Para usar (ou não) o lenço


RODRIGO ROMERO

Quando notei ser Andy Serkis o diretor de 'Uma Razão para Viver' (Título original: 'Respirar'), desde a semana passada em cartaz nos cinemas brasileiros, espantei-me. A quem não se recorda, Serkis é o intérprete de 'personagens de computador' - por exemplo, Golum, da trilogia 'O Senhor dos Anéis', e Caesar, das fitas do 'Planeta dos Macacos'.

Tinha gente até que fez lobby para a inclusão de seu nome na lista dos concorrentes a melhor ator nos Oscars dos anos correspondentes aos longas, tal era a sua perfeição na colocação das feições, olhares e as falas destas figuras fictícias. Eis que 'Uma Razão para Viver' é o seu trabalho de estreia como maestro, na principal cadeira do set de filmagem.

Trata-se da história real de Robin Cavendish (1930-1994), advogado inglês famoso por ter alastrado as melhorias médicas a favor das vítimas da poliomielite, doença que ele próprio contraiu antes dos 30 anos e, de maneira estoica, superou cada obstáculo que via à frente. Roteirizado por William Nicholson (não é o parente de Jack Nicholson), de 'Gladiador' (2000), 'Uma Razão para Viver' tem no papel principal Andrew Garfield (do ótimo 'Até o Último Homem', 2016), com Claire Foy na pele da esposa Diana.

O fato é que a força da parceira fez com que Robin quisesse viver. E Serkis, como diretor, desenvolveu o trivial e comandou o elenco sem atrapalhar ninguém, o que já é grande coisa para um estreante. E o filme não compromete porque não deseja fazer o público pensar e aborda temas espinhosos, como é o caso da eutanásia, de forma 'romântica', se é possível usar essa palavra.

Tudo é feito para os lenços entrarem em ação e em determinadas cenas quase não dá para escapar. Mas mostrar a trajetória de Robin, que não estava nem aí se havia dificuldades imensas em viajar e fazer passeios grandes tendo a tiracolo um respirador manual ou eletrônico, isso na década de 1960, onde os recursos tecnológicos eram praticamente nulos, é o que realmente importa a Serkis e Nicholson.

Jonathan Cavendish, filho de Robin, é hoje produtor de cinema em Hollywood, com bons filmes no currículo - 'Elizabeth: A Era de Ouro' (2007) é um deles. E Jonathan pegou as rédeas de 'Uma Razão para Viver' é se tornou um dos produtores. Não sei se é por isso que a obra é tão lacrimejante, por incluir no blocked as cenas bem íntimas da família, como o momento da morte do advogado, porém a cinebiografia tem ingredientes que não deixam os espectadores de mãos abanando. Duração: 118 minutos. Cotação: bom.

Publicidade
Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

25 ABR
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
08/04/2017
A Prefeitura voltou a permitir o estacionamento rotativo pago, das 9h às 16h, na rua Barão de Jacareí. Vc concorda com a medida?
  • 46.1%
  • 40.7%
  • 7%
  • 6.2%
06/02/2017
Qual a sua opinião sobre a qualidade do serviços prestados pelo SAAE em Jacareí?
  • 34.1%
  • 31.9%
  • 24.1%
  • 9.9%
Logos e Certificações: