Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 04/08/2017 às 14h52
Nolan, absoluto


RODRIGO ROMERO

Há uma luz no fim do túnel. Aliás, algumas. O cinema de autor, badalado nas décadas de 1950 e 1960 pela revista francesa Cahiers du Cinéma, cai como luva ao trabalho do diretor, roteirista Christopher Nolan. O seu mais recente trabalho, ‘Dunkirk’, que estreou há 10 dias em Jacareí – legendado em um horário apenas – é o resumo, pode-se afirmar, da carreira do cineasta inglês.

A gente sabe quando se trata de uma fita de Nolan. Existe nela qualidade sublime de imagem, som e edição. É sombria, ainda tensa e de regularidade ímpar. ‘Dunkirk’ mostra a evacuação da cidade francesa de Dunquerque, na Segunda Guerra Mundial, quando quase 400 mil soldados aliados ficaram cercados por alemães nas praias locais.

Nolan divide a trama em três partes: a semana em que estes soldados ficaram ilhados, o dia todo no qual civis ingleses e franceses foram com os barquinhos e iates simples resgatar o maior número possível de homens e os 60 minutos de batalha aérea entre aviões ingleses e alemães. Aquela batalha participar de Dunquerque, ocorrida entre o fim de maio e o início de junho de 1940, marcou a virada da terra da rainha em relação ao confronto mundial.

Os destaques do longa-metragem são a trilha sonora de Hans Zimmer, algo que parece a mistura da trilogia do ‘Cavaleiro das Trevas’ com ‘A Origem’, a fotografia e o som, além, óbvio, da direção estupenda de Nolan. Desponta como favorito à determinadas categorias, como Filme, Diretor, Trilha, Mixagem de Som, Edição de Som, Fotografia e Direção de Arte.

O diretor optou acertadamente por excluir os efeitos especiais e fazer cinema como antigamente, com aproximadamente 4 mil figurantes e com os cameramen nos aviões para captar as imagens aéreas, que chegam a lembrar o épico ‘Asas’ (1927), quando os próprios pilotos eram atores e estavam nas aeronaves comandando as viagens.

As imagens da praia são singulares e como o filme possui poucos diálogos as interpretações se destacam ainda mais pelas expressões dos profissionais. Não é uma película de ator, mas puramente de ações dos atores. Ações físicas mesmo. E não exagero ao afirmar tal coisa. ‘Dunkirk’ precisa ter seu valor consagrado pela crítica e público e, com ‘Amnésia’ (2000), é de longe o melhor trabalho de Christopher Nolan na sétima arte. Recomendo a todos.

Publicidade
Compartilhe

Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

11 DEZ
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
08/04/2017
A Prefeitura voltou a permitir o estacionamento rotativo pago, das 9h às 16h, na rua Barão de Jacareí. Vc concorda com a medida?
  • 46.1%
  • 40.7%
  • 7%
  • 6.2%
06/02/2017
Qual a sua opinião sobre a qualidade do serviços prestados pelo SAAE em Jacareí?
  • 34.1%
  • 31.9%
  • 24.1%
  • 9.9%
Logos e Certificações: