Publicidade
Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017 | você está em »principal»Blogs»Coisas de Cinema
Publicado em 07/07/2017 às 12h16
Chile, 2010


RODRIGO ROMERO

Só recentemente assisti ao filme ‘Os 33’, baseado na quase tragédia ocorrida em meados de 2010, no acidente numa mina onde estes 33 trabalhadores ficam presos a 700 metros abaixo da terra. Lembro de ter acompanhado, ao vivo, pela TV, resgate de todos, na madrugada de 13 de outubro daquele ano.

Aquela cápsula que os trouxe, apertadíssima e estreitíssima, me deu na hora uma sensação horrível, de ampla claustrofobia, e a ansiedade de vê-los na superfície, respirando, com os óculos escuros a fim de protegê-los da claridade. O filme, dirigido pela mexicana Patricia Riggen, estreou em 2015, e bem de forma tímida, retrata o drama vivido pelos chilenos. Mesmo com elenco reforçado de estrelas, por exemplo, Antonio Banderas, Rodrigo Santoro, Juliette Binoche, ‘Os 33’, rodado em cima das páginas do livro escrito por Hector Tobar, é desprovido de emoção.

Talvez pela inexperiência de Patricia, este acompanhamento de respiração que o roteiro exigia fica de lado e o que vemos na tela é uma soma de suspiros e algumas lágrimas a rolar pelos parentes e amigos, além dos cônjuges. O que se destaca na obra é a qualidade da ambientação e o ambiente escuro e recheado de economia do subsolo, local da ‘prisão’ daquela gente.

O racionamento de água, alimentos, o esconderijo no chamado refúgio, todo o esquema para se sobreviver quantos dias houvesse, os pessimistas versus os esperançosos, tudo isto serve para deixar o espectador preso. Todavia, por mais que a diretora tente influenciar, e se percebe a mão dela no filme, pesada principalmente na atuação do trio famoso, cheio de caras e bocas, nada é forte o bastante. O resultado é uma fita insossa e desprovida do ‘algo a mais’.

Há a boa vontade, mas não basta. Para um trabalho deste naipe, seria necessário mais agilidade, e o impacto com o mesmo ar claustrofóbico que senti quando vi pela TV apareceria ali. Não foi o caso. Apenas regular, ‘Os 33’ é decepcionante pela ansiedade que se causou quando se soube que a história seria filmada.

Pra piorar, os personagens falam inglês ao invés do espanhol. Aí é o fim da picada. A insistência de se preservar o idioma de Hollywood deixa toda a trama devastada pela cafonice. Ver o presidente chileno falar ao seu ministro na língua de Trump é inacreditável e deixa o longa-metragem no fundo do poço. Pena.

Publicidade
Compartilhe

Comentários (0)

ATENÇÃO!

Os comentários publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não expressam
necessariamente a opinião do Diário de Jacareí


Por favor, faça o login antes de comentar

21 SET
Publicidade
Notícias

Artigos
Perfil do Blog
Coisas de Cinema

Rodrigo Romero é jornalista desde 2001. Passou por Diário de Jacareí, Diário de Mogi e assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Jacareí. Em 2008 foi para a TV Câmara Jacareí, onde até hoje atua como apresentador e repórter. Escreve há quase dez anos, semanalmente, a coluna 'Coisas de Cinema' no Diário de Jacareí.


E-mail do autor: rodrigoromeropl@ig.com.br
Arquivo
08/04/2017
A Prefeitura voltou a permitir o estacionamento rotativo pago, das 9h às 16h, na rua Barão de Jacareí. Vc concorda com a medida?
  • 46.1%
  • 40.7%
  • 7%
  • 6.2%
06/02/2017
Qual a sua opinião sobre a qualidade do serviços prestados pelo SAAE em Jacareí?
  • 34.1%
  • 31.9%
  • 24.1%
  • 9.9%
Logos e Certificações: